pt_BR

Data: 23 de maio de 2019

Local: Museu do Amanhã

Atualmente, o papel das mulheres na ciência vem sendo muito discutido no Brasil e em muitos outros lugares, incluindo um país localizado a mais de 15 mil quilômetros de distância do nosso: a Austrália.

Na mesa-redonda “Aqui e lá: mulheres na ciência no Brasil e na Austrália” foi possível verificar o contexto australiano no que diz respeito à participação das mulheres nessa área, e ainda ouvir a perspectiva brasileira sobre o assunto. O evento foi realizado no dia 23 de maio, no Observatório do Amanhã.

 

O debate foi uma oportunidade de diálogo e compartilhamento de perspectivas multiculturais entre Brasil e Austrália, a partir dos pontos de vista de pesquisadoras proeminentes e pessoas públicas de ambos os países.

 

A física e Acadêmica Márcia Barbosa e a geneticista Jenny Graves refletiram sobre suas experiências como cientistas sêniores de destaque em seus campos, e sobre a cultura acadêmica de seus países. Elas também ofereceram estratégias para aumentar a participação de mulheres e meninas em Ciência, Tecnologia, Engenharias e Matemática.

A Comissária para Discriminação Sexual Kate Jenkins abordou a posição geral da participação feminina nessas áreas, no contexto econômico australiano, incluindo o valor de mais equidade de gênero para as sociedades e seus diversos setores.

A mesa-redonda foi aberta ao público, foi moderada por Mathew Johnston, Conselheiro de Educação e Ciência da Embaixada Australiana, e contou com tradução simultânea do inglês para o português. O evento foi uma parceria entre a Academia Brasileira de Ciências, o Museu do Amanhã e a Embaixada da Austrália no Brasil.

 

  • Jenny Graves é geneticista e professora emérita da Australian National University e membro da Academia Australiana de Ciências. Em 2017 ela ganhou o Prime Minister’s Prize for Science por seu trabalho pioneiro para desvendar os mistérios da genética do sexo.
  • Márcia Barbosa é física, professora titular no Instituto de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e membro da Academia Brasileira de Ciências. Sua pesquisa em mecânica estatística lhe rendeu o Prêmio L’Oréal-UNESCO para mulheres em ciência em 2013.
  • Kate Jenkins tem experiência de mais de 20 anos em temas de igualdade de gênero e igualdade de oportunidades e participou do quadro de lideranças de instituições como o Heide Museum of Modern Art. É Comissária Australiana sobre Discriminação de Sexo desde 2016 e em 2015 recebeu o prêmio AFR/Westpac “100 Women of Influence Awards”.

 


SERVIÇO

Data: 23 de maio de 2019
Horário: 16h. – 18h.
Informações: Vitor Vieira. E-mail: vvieira@abc.org.br. Tel: (21) 3907-8145.
Local: Observatório do Museu do Amanhã, Rio de Janeiro (RJ)