Português > Notícias > ABC, SBPC e ANM enviam carta à Alesp contra CPI da fosfoetanolamina


POLÍTICA DE CT&I

ABC, SBPC e ANM enviam carta à Alesp contra CPI da fosfoetanolamina

  • Compartilhe:

Publicado em 6/11/2017

A Academia Brasileira de Ciências (ABC), a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e a Academia Nacional de Medicina (ANM) enviaram em 30 de outubro, uma carta aos parlamentares da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo criticando a criação da CPI da fosfoetanolamina, instaurada no dia 18, “com a finalidade de ‘apurar as razões que motivam o Estado a não realizar pesquisas para a liberação da substância fosfoetanolamina”, segundo descreve a Alesp.

“Ficamos chocados ao saber que há em curso um pedido de CPI na Assembleia legislativa de São Paulo, aparentemente com intuito de questionar o resultado científico”, comentam as entidades na carta.

No documento, os presidentes da SBPC, ABC e ANM ressaltam a importância do tema, que, pela gravidade da doença, causou grande furor na opinião pública. A substância foi, por anos, distribuída a milhares de pacientes, sem que os estudos científicos mínimos exigidos pela legislação fossem realizados. Conforme recorda a carta, a proibição da distribuição do produto provocou uma explosão de interesse, e mais de 18 mil pedidos de liminar para obtenção do produto foram feitos somente em São Paulo. O Congresso Nacional chegou a editar uma lei permitindo seu uso, “ainda que não houvesse um único trabalho adequadamente controlado mostrando benefício no tratamento do câncer”, observam as entidades, acrescentando que o Supremo Tribunal Federal, por sua vez, optou por aguardar resultados de estudos clínicos antes de tomar uma decisão final.

Ademais, esclarecem que, a pedido do então Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), três instituições renomadas foram envolvidas nos estudos e atestaram a ineficácia e perigos da administração do fármaco e contestam os deputados: “Como vamos estimular a ciência brasileira, se um resultado inesperado ou negativo pode ser questionado não por seu valor técnico, mas na arena política?”.

A CPI, de relatoria do deputado Ricardo Madalena, já realizou sua primeira reunião, em 25 de outubro, e recebeu hoje o professor de química da USP Gilberto Chierice para falar sobre a pílula que desenvolveu na USP de São Carlos.

Leia aqui a carta na íntegra.


(Jornal da Ciência )



webTexto é um sistema online da Calepino