pt_BR
Ciências Matemáticas | MEMBRO TITULAR

Maurício Matos Peixoto

(PEIXOTO, M. M.)

15/04/1921
Brasileira
21/09/1949

Apesar de ter feito carreira na área, o fascínio de Maurício Matos Peixoto pela matemática surgiu de forma bastante curiosa. No segundo ano, cursado no Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, reprovou na matéria e precisou de aulas de reforço para passar de ano. As aulas, ministradas por um amigo da família, fizeram ele entender o que de fato era a matemática. “Fiquei deslumbrado com as explicações e o entusiasmo do professor e, além de passar de ano, decidi que iria seguir alguma profissão que dependesse de matemática”, relata Peixoto. Então, decidiu pelo curso de engenharia civil, no qual se graduou, em 1943, pela então Universidade do Brasil, hoje Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e obteve o título de doutor (1947) pela mesma instituição. Foi visitante na Universidade de Chicago (1949-1951) e na Universidade de Princeton (1957 e 1958), ambas nos Estados Unidos. Em 1953, juntamente com Leopoldo Nachbin e Lélio Gama, fundou o IMPA, Instituto de Matemática Pura e Aplicada, do qual tornou-se professor aposentado (1991) e pesquisador emérito (2003). Tem experiência na área de matemática, com ênfase em geometria e topologia, atuando, principalmente, com convexidade e desigualdades diferenciais. Foi um dos pioneiros mundiais nos estudos da estabilidade estrutural, tendo criado um teorema próprio, o Teorema de Peixoto. Por seus estudos pioneiros na área, também conquistou, em 1987, o Prêmio de Matemática da então Academia de Ciências do Terceiro Mundo, hoje Academia Mundial de Ciências (TWAS, na sigla em inglês). Além disso, recebeu a Grã-Cruz (1994) e a Comenda (1996) da Ordem Nacional do Mérito Científico, concedidas pelo então Ministério da Ciência e Tecnologia. Além da ABC, onde foi presidente por dez anos, entre 1981 e 1991, também possui associações com a Sociedade Americana de Matemática (AMS, na sigla em inglês), a Academia de Ciências do Estado de São Paulo (Aciesp), com a Academia de Ciências de Lisboa, da qual é membro correspondente, e com a Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), a qual presidiu entre 1975 e 1977. Maurício Peixoto também já foi vice-presidente (1971-1974) e presidente (1979-1989) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, o CNPq.