Português > Notícias > Verás que um nerd teu não foge à luta


CIÊNCIA NA MÍDIA

Verás que um nerd teu não foge à luta

  • Compartilhe:

Publicado em 4/12/2017

Marcia Barbosa, João Oliveira, Jorge Kalil, Paulo Artaxo 

Com corte de verbas e pós-verdade, a ciência nunca precisou tanto do seu apoio. Aprenda a defendê-la com nosso manual que detona 15 bobagens negacionistas.

Pergunto a um terraplanista se seria um choque muito grande ser lançado ao espaço e constatar, com os próprios olhos, que a Terra não é um disco achatado, mas sim uma deslumbrante bolinha de gude azul flutuando na escuridão cósmica.

Minha intenção era saber como a ideia de ter sua crença refutada pelos próprios sentidos abalaria suas convicções. “É plana e nenhuma oportunidade irá me provar o contrário”, cravou Samuel Trovão, estrondoso como o nome fictício. É o dono da página A Terra é Plana, maior do gênero no Facebook brasileiro, com mais de 90 mil curtidas, cujo lema é “ensine a controvérsia”. Ali são divulgadas supostas evidências para comprovar a teoria e, principalmente, provocações contra a maioria esmagadora dos seres humanos que não duvida estar vivendo em um globo. “Não é zuera. Nunca foi. Quem pergunta é removido permanentemente”, alerta a página.

Mas como alguém acredita que todas as agências espaciais e autoridades façam parte de um complô? “Não acreditamos, sabemos”, diz Trovão. “Não tem como convencê-los, já decidiram no que acreditam e é uma decisão completamente baseada na fé”, avalia o físico teórico Marcelo Gleiser, da Faculdade Dartmouth (EUA). Gleiser interpreta o fenômeno como uma “desestruturação da autoridade”: quem nunca estudou ciência na vida pensa saber tanto quanto quem passou décadas na universidade. “Todo mundo virou especialista, é muito sério.”

Quem acompanhou a campanha de Donald Trump e a discussão em torno das fake news (notícias falsas) reconhece esses sintomas: trata-se da pós-verdade. Ter alguém como Trump descreditando abertamente a ciência climática — apelando para emoções em detrimento de fatos — é algo que acertou em cheio o conhecimento científico. Da noite para o dia, rappers e jogadores da NBA se sentiram à vontade para declarar que acreditam na Terra plana. O movimento tem ganhado tanta força que, em novembro, foi realizada a primeira conferência internacional dos terraplanistas, que reuniu cerca de 500 pessoas na Carolina do Norte. “Os terraplanistas não deveriam usar tecnologia alguma, pois são todas baseadas nas teorias que negam”, diz Marcia Cristina Bernanrdes Barbosa, diretora da Academia Brasileira de Ciências (ABC). Mas eles não parecem se importar.

Assim como também não se importam os céticos que negam que as atividades humanas causem o aquecimento global. A vertente ganhou impulso com a retirada dos EUA do Tratado de Paris, em junho. No Brasil, a principal voz é Ricardo Felício, professor do departamento de Geografia da USP. Em julho, ele se envolveu em um debate pelo YouTube com o paleontólogo Paulo Miranda Nascimento, o Pirula. Foram mais de seis horas de réplicas e tréplicas. “Diria que ele acredita de fato no que defende, não está mentindo para as pessoas”, diz o youtuber.

Mas 97% dos especialistas não concordam. “Há enormes evidências científicas de que estamos mudando nosso planeta de maneira muito significativa”, afirma o físico atmosférico Paulo Artaxo  [membro titular da ABC], do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). Para ele, é ingenuidade achar que Trump e os negacionistas não acreditam no aquecimento global. “São interesses econômicos que tentam distorcer a opinião pública para continuar ganhando dinheiro com a queima de combustíveis fósseis.”

E, como se não bastassem as investidas contra a esfericidade da Terra e os riscos das mudanças climáticas, existe ainda o movimento antivacinas. Parte da população passou a olhar com desconfiança para uma das grandes conquistas da humanidade. “Até hoje, os brasileiros sempre tiveram posição muito favorável às vacinas, porque as pessoas viram os filhos pararem de ficar doentes”, diz o imunologista Jorge Elias Kalil FIlho  [membro titular da ABC], referência no Brasil e no mundo. Mas o temor de que elas façam mal tem levado ao boicote. Em 2011, houve um surto de sarampo em São Paulo que contaminou 25 crianças — tudo começou porque os pais se negaram a vacinar.

Além do sarampo, a difteria está se espalhando em países europeus devido a essa corrente. A situação vem preocupando tanto os especialistas que, em junho, o Conselho Federal de Medicina e a Sociedade Brasileira de Pediatria publicaram uma nota alertando para os riscos. Tudo isso levanta a questão: por que as pessoas estão duvidando da ciência?

Confie no método

Para o engenheiro João Fernando Gomes de Oliveira , vice-presidente da ABC, são as redes sociais que alavancam o discurso anticientífico. Cresce assim um sentimento de que ciência é mera opinião — e nada poderia estar mais equivocado. “A relação entre verdade e mentira ficou tão difícil de entender que a verdade científica passa a ser a única referência para descobrir o que é certo e o que não é.” Para conter a pós-verdade, a ciência deveria ser aliada, não vilã. “Cientistas não são pró-isso ou aquilo, cientista é pró-conhecimento”, diz Kalil. A garantia dessa postura se chama método científico, que exige que as hipóteses sejam testadas à exaustão. Só depois tornam-se verdades científicas — até que surja outra teoria que explique melhor o fenômeno.

Marcia Barbosa ressalta a importância de os cientistas deixarem clara a relevância de seu trabalho. Essa atitude se torna ainda mais urgente diante dos cortes anunciados pelo governo federal para 2018. A verba do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações será a menor da última década. Após um contingenciamento de 44% em 2017, o próximo ano pode ser ainda pior. Até a conclusão desta edição, o corte previsto era de 20%, que pode derrubar o orçamento a R$ 4,6 bilhões. O Japão, por exemplo, investe R$ 36 bilhões por ano. Se isso acontecer, haverá uma fuga de cérebros e suspensão de pesquisas. “A ciência brasileira foi capaz de produzir pessoas de imenso impacto graças a um investimento que vinha sendo regular e ininterrupto”, lamenta Barbosa.

Por isso, leitor, se você se importa com a ciência e tudo o que ela representa, nós o convidamos a lutar por ela. Reaja contra quem ataca o conhecimento — com respeito e empatia, é claro. Nas páginas seguintes, elaboramos um manual com as respostas aos principais mitos propagados por quem nega a ciência. Se esse conteúdo não ajudar a convencer os negacionistas, que ao menos estimule uma atitude mais pró-ativa. Talvez os terraplanistas só sejam dissuadidos se forem, de fato, levados ao espaço. Nos ajuda nessa, Elon Musk?

Conheça seus treinadores

Conversamos com alguns dos mais destacados cientistas do brasil para coletar bons argumentos contra o negacionismo

Pirula
Youtuber, biólogo e paleontólogo, Paulo Miranda Nascimento é dono de um dos principais canais de divulgação científica no país: o Canal do Pirula, com 600 mil inscritos. Faz vídeos combativos sobre ciência, religião e evolução.

Jorge Kalil
Especialista em vacinas, o membro titular da ABC é um dos imunologistas mais respeitados do Brasil. Dirigiu o Instituto Butantan por seis anos. Em 2006, foi condecorado com a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico.

Marcelo Gleiser
Autor de nove livros, o físico é um dos maiores divulgadores de ciência brasileiros. Leciona disciplinas como “física para poetas” na Dartmouth College, EUA. Apresentou quadros no Fantástico e tem coluna na Folha de S.Paulo.

Marcia Barbosa
Especialista em água, a física é diretora da ABC e também membro da União Internacional de Física Pura e Aplicada. Sua luta pela inclusão da mulher no ambiente científico rendeu-lhe diversos prêmios nos últimos anos.

Paulo Artaxo
Chefe do departamento de Física Aplicada da USP, pesquisa mudanças climáticas e o meio ambiente amazônico. Artaxo é membro titular da ABC e da equipe do IPCC, agraciada com o Prêmio Nobel da Paz de 2007.

João Oliveira
João Fernando Gomes de Oliveira é engenheiro, vice—presidente da ABC e membro do corpo editorial de três periódicos internacionais. Foi condecorado em 2010 com a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico.

Terra plana
Refutada pela ciência desde 240 antes de Cristo

A concepção da Terra como um disco plano encoberto por uma abóbada de misteriosos objetos celestes era unanimidade na Antiguidade. E é compreensível: não havia ainda conhecimentos para fazer investigações científicas para além do que os olhos viam. Foi só no século 6 a.C. que filósofos como Pitágoras propuseram o modelo esférico, motivados por relatos de navegadores e observações do céu. Três séculos mais tarde, constatando que as estrelas vistas no Egito não eram as mesmas de céus mais ao norte e que a sombra da Terra na Lua durante eclipses era esférica, Aristóteles reforçou que o nosso planeta é um globo. Já por volta de 240 a.C., Eratóstenes realizou experimento que forneceu a prova mais convincente do modelo esférico até então — as grandes navegações do século 16 o comprovaram, e a ciência moderna não deixou dúvida.

Mas, em 1849, o inglês Samuel Rowbotham reviveu a Terra plana com o que chamou de “astronomia zetética”: o planeta seria uma espécie de pizza com o centro no Hemisfério Norte e a borda na Antártida. Desde então, a ideia estava restrita a certos círculos, mas ganhou popularidade nos últimos anos. “Graças à facilidade de nos comunicarmos, à falta de educação científica e ao fundamentalismo religioso, a Terra plana renasceu”, diz Marcia Barbosa.

Gênio completo
O pensador grego Eratóstenes de Cirene, não contente em ser bibliotecário-chefe da lendária Biblioteca de Alexandria, no Egito, também era astrônomo, historiador, geógrafo, filósofo, poeta, crítico de teatro e matemático. Ufa!

Luz e escuridão
Tamanho de sombras mostra que a Terra é um globo

De olho no Sol
O experimento de Eratóstenes

Estacas, olhos, pés e cérebro — foi com essas ferramentas que Eratóstenes calculou a circunferência do planeta há mais de 2,2 mil anos. De quebra, forneceu a primeira evidência consistente, científica, que refutava a ideia da Terra plana.

Ele ouvira relatos curiosos sobre a cidade de Siene, no sudeste do Egito. Ao meio-dia do solstício de verão, 21 de junho no Hemisfério Norte, as colunas por lá não projetavam sombras, e a luz solar incidia diretamente nas águas de um poço que, no resto do ano, ficava na sombra. Foi investigar: fincou estacas de madeira de tamanhos iguais em Alexandria, às margens do Mediterrâneo, e em Siene, centenas de quilômetros mais ao sul, ao meio-dia do solstício.

Constatou que a primeira estaca projetava uma sombra acentuada, enquanto a segunda, como se sabia, não produzia sombra. “A única resposta era que a superfície da Terra é curvada”, explica Carl Sagan na série Cosmos. E não foi só isso. Conforme ele deduzira corretamente, o Sol fica tão longe de nós que os raios chegam paralelos.

Ele mediu uma diferença de 7,2° entre Siene e Alexandria, ou seja, um 50 avos de uma circunferência (360°). Pagou um coitado para que percorresse a pé a distância entre as cidades, determinada em 800 km. Aí bastou multiplicar 800 por 50 para estimar que, se esticássemos uma corda ao redor da Terra, ela mediria 40 mil quilômetros. O experimento simples errou por poucos quilômetros a medida.

COMO DERRUBAR CINCO BOBAGENS

Sim, a gravidade existe
Einstein e Newton estão do seu lado nessa

Respire fundo. É melhor não confrontar seu interlocutor com o conselho de Marcelo Gleiser: “Pede para eles se jogarem do alto de um prédio”. Claro que os terraplanistas precisam negar a existência da gravidade, pois, se não, a teoria deles não se sustenta. Literalmente. Não é à toa que a Terra e todos os outros corpos celestes de grandes proporções são esféricos — existe um negócio chamado centro de massa. A matéria ao redor vai sendo atraída na direção do núcleo e se distribui uniformemente em uma esfera, simplesmente por ser o formato em que toda a massa fica mais próxima possível do centro. Se a Terra fosse plana e seguisse essas regras, caminhar rumo às beiradas seria como subir uma ladeira cada vez mais íngreme. “Nas bordas do disco, no Brasil, por exemplo, sentiríamos uma força para o centro”, explica Marcia Barbosa.

A Antártida não é a muralha de GoT
E os pinguins não são militares disfarçados

Como o modelo da Terra plana implica que haja um “fim do mundo” e como nunca um navio desabou desse terrível penhasco, a interpretação dos negacionistas atribui à Antártida um papel não de continente, mas sim de uma muralha de gelo que delimita as bordas do disco. Por isso ninguém consegue chegar lá: a região é controlada por militares. “É meio triste que pessoas pensem assim”, lamenta Gleiser. De fato, é caro e difícil chegar lá, mas não impossível. Este repórter mesmo já teve a sorte de visitar a Ilha do Rei George, onde fica a base de pesquisa brasileira, russa e de outros países.

Vamos à praia
Que tal ficar a ver navios?

Terraplanistas insistem em dizer que o horizonte é sempre plano. Como explicam as fotos tiradas por astronautas da Estação Espacial Internacional ou capturadas a bordo de balões estratosféricos? São feitas com lente olho de peixe ou manipuladas, eles dizem. Bem, o fato é que a Terra é enorme e nós somos muito, muito pequenos. Por isso não é tão fácil perceber a curvatura. Mas leve um binóculo à praia e fique de olho em grandes embarcações bem distantes. Um adulto enxerga, em média, pouco menos de 5 km à sua frente — tudo que estiver além parecerá estar com a base afundada.

Que complô é esse?
Um globo serve a quem?

E aqui chegamos à cereja do bolo, que atesta, sem sombra de dúvidas, que a Terra plana não passa de uma grande teoria da conspiração. Para funcionar, ela precisa acusar a Nasa de sempre ter falsificado as fotos de suas missões — vale perguntar aos terraplanistas se sabem como era a tecnologia de computação gráfica na época das missões Apollo ou na década de 1950. Seria impossível forjar aquelas imagens. Além disso, precisam incluir no complô governos e empresas dos mais diversos setores, atuando em conjunto para esconder as supostas evidências de que a Terra é um disco achatado flutuando no espaço. Qual seria o objetivo? “Talvez proteger os interesses econômicos dos fabricantes de globo”, conjectura Marcia Barbosa.

O Sol e a Lua não se mudaram
Continuam bem longe

Outro requisito para que o modelo terraplanista funcione é que o Sol e a Lua sejam bem menores do que realmente são e estejam muito mais próximos de nós, a poucos milhares de quilômetros, girando em círculos sobre a Linha do Equador. Mas logo de cara percebemos alguns problemas: se a gravidade não existe, o que mantêm o Sol e a Lua no lugar e em movimento? E quanto aos eclipses e fases da Lua, produzidos por uma sombra redondamente esférica: quem a projetaria senão nosso planeta? Por um acaso, de tempos em tempos, Mercúrio e Vênus fariam ousadas incursões dentro do hipotético domo terrestre transitando em frente ao disco solar, como em maio de 2016?

Aquecimento global
Vinculado à humanidade pela ciência desde 1896

Desde os estudos do físico sueco Svante Arrhenius, no fim do século 19, sabe-se bem que gases como o CO2 retêm na atmosfera o calor que vem do Sol e impedem que parte dele escape para o espaço.

A partir do fim da última Era do Gelo, a concentração de CO2 na atmosfera manteve-se na casa das 280 partes por milhão (ppm). Mas nos últimos 150 anos, desde a Revolução Industrial, a queima de combustíveis fósseis fez esse número saltar para 407 ppm. Com os atuais 40 bilhões de toneladas de CO2 emitidos anualmente, a temperatura do planeta já subiu 1,1°C. Para coordenar a resposta política das nações e limitar o aquecimento a 2°C, a ONU criou em 1988 o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que compila pesquisas de milhares de cientistas e lança relatórios de como o clima está mudando. Já foram cinco até agora. “Para ter uma ideia, cada relatório tem em torno de 4,5 mil páginas, e olha que isso é uma síntese”, pontua Paulo Artaxo, que há 15 anos colabora com o IPCC.

Com relação aos negacionistas, Artaxo é categórico ao dizer que servem aos interesses econômicos das indústrias do combustível fóssil. “Tentam fazer uma campanha de desinformação, contestando uma ciência que é sólida há 150 anos”, afirma. “Ninguém contesta se a mecânica quântica é válida ou não.”

Tese premiada
Em 1884, Svante Arrhenius produziu uma tese de doutorado na Universidade de Uppsala que, duas décadas mais tarde, lhe renderia um Nobel de Química — fez avançar muito o conhecimento da época sobre como as partículas conduzem eletricidade em uma solução.

Nossa estufa
Como a atmosfera da terra retém o calor do sol

Climão
Como foi a primeira pesquisa

Svante Arrhenius era formado em Física, mas tinha muito apreço pela Química. Acabou enveredando por áreas de pesquisa multidisciplinares que ainda nem tinham nomes à época, como físico-química, geofísica, bioquímica. Tinha uma curiosidade em especial: o que causa uma Era do Gelo?

Dedicou-se então a entender se a temperatura na superfície da Terra é influenciada pela presença de gases que absorvem calor. Calculou as taxas de absorção do dióxido de carbono (na época, chamado de ácido carbônico) e do vapor d’água. Os resultados da pesquisa foram publicados em um artigo em 1896, no qual analisa como variações na concentração dos gases provocariam flutuações na temperatura. Estimou que, se a quantidade de CO2 dobrasse (então estava em cerca de 300 ppm), o planeta esquentaria entre 5°C e 6°C.

Haja gás carbônico
Veja a evolução da concentração no ar

COMO DERRUBAR 5 BOBAGENS

Culpa no cartório
Negacionistas dizem que mudanças climáticas não têm a ver com o homem

Prepare-se, leitor, pois essa é a principal linha de argumentação que os negacionistas usam: muitos reconhecem que o planeta está esquentando, mas afirmam que não temos culpa. A afirmação até é verdadeira (o clima muda naturalmente ao longo das eras), mas não é verdade que não estamos por trás disso.

Por um motivo simples: o principal mecanismo desencadeador de alterações no clima (a variação na concentração de gases do efeito estufa) é, hoje, ditado pelas atividades humanas — não mais por megaerupções vulcânicas, por exemplo. O mais preocupante é que, no passado, essas variações ocorriam mais gradativamente, dando à biosfera e aos ciclos naturais tempo para se adaptarem.

“Agora o fenômeno é diferente, é um curtíssimo espaço de tempo comparado ao tempo geológico. Estamos alterando a atmosfera muito rapidamente”, explica Paulo Artaxo. E os efeitos do aumento de CO2 vão muito além da elevação de temperatura. Derretimento de geleiras, crescimento do nível do mar, acidificação dos oceanos — os sinais estão por toda parte. Só não vê quem não quer.

Os seres vivos não vão se adaptar
Estamos rumo à extinção

Dizer isso é como sugerir a alguém ardendo em febre que vai se acostumar à temperatura alta. A natureza não se importa com nossas opiniões — ultrapassando os 41°C de febre, algumas enzimas essenciais deixam de funcionar, e você morre. Simples assim. Com a fotossíntese das plantas é igual. O aquecimento global é como uma febre planetária para todos os seres vivos. Pesquisas apontam que a sexta extinção em massa de espécies pode ocorrer ainda neste século. “Estudos mostram claramente o declínio de algumas populações de animais e plantas”, alerta Artaxo. A questão é: seremos capazes de medicar a febre da Terra antes que seja tarde?

Deixem o Sol em paz
Não há anomalia nas radiações

É sempre mais fácil achar que a culpa é do outro. Pois é o que fazem muitos céticos: acusam o Sol de passar por uma fase mais ativa, irradiando mais calor sobre nós. A hipótese é válida. Mas já faz quatro séculos que a atividade solar é monitorada. Instrumentos modernos medem com precisão a energia irradiada durante seu ciclo. Não foi verificada nenhuma anomalia. “As medições apontam que o aquecimento não pode estar atribuído ao fluxo de radiação solar”, afirma Artaxo. Fique frio, Sol: você foi absolvido.

O bloco dos cientistas
A maioria diz que, sim, as mudanças estão acontecendo

Veja bem, nossos treinadores têm um recado: “Mais do que 97% dos cientistas dizem que as mudanças climáticas já estão acontecendo e que são causadas pelo homem”, explica Paulo Artaxo. Nesse caso, o consenso tem valor. Pirula brinca que, quando toda a academia científica está contra meia dúzia de professores dissidentes, pelo menos o mais destacado desses supostos pesquisadores deveria ganhar um Nobel por suas teorias tão disruptivas. Como isso não acontece... Bom, eles estão falando besteira. “Esse professor que diz manjar dos paranauê fala que é Y, então 99 mil professores que dizem ser X não manjam dos paranauê?”, observa Pirula. “Não é meio arrogante?”

A conta do gelo antártico não fecha
Há mais derretimento do que ganho

Sim, algumas partes do continente antártico estão ganhando gelo. Isso acontece pois essas áreas estão recebendo mais precipitação em forma de neve nas últimas décadas, e esse gelo acumulado leva centenas de anos para se deslocar. Mas são casos pontuais — enquanto isso há geleiras gigantes rachando. “No geral, a Antártida está respondendo ao aquecimento perdendo gelo, embora em algumas regiões haja mais acúmulo”, diz Artaxo. Segundo o IPCC, mais de 147 bilhões de toneladas de gelo antártico se perdem todos os anos.

Vacinas
Eficácia comprovada pela ciência desde 1796

“A gente parou de morrer muito jovem por três razões: água limpa, antibiótico e vacinas”, afirma Jorge Kalil. Um dos imunologistas mais respeitados do Brasil, foi diretor do Instituto Butantan de 2011 até o início deste ano, órgão que, junto do Instituto Bio-Manguinhos/Fiocruz, produz boa parte das mais de 300 milhões de doses de vacina distribuídas gratuitamente todos os anos pelo SUS.

O Ministério da Saúde investe R$ 3,9 bilhões em vacinas anualmente. O país virou referência na área com o Programa Nacional de Imunização (PNI), implantado em 1973. De lá para cá, graças a essa política de Estado, ocorreram conquistas importantes na saúde pública no Brasil, como a erradicação da varíola em 1973 e da polio em 1989. Epidemias como a de sarampo e difteria estão contidas. Segundo o IBGE, entre 1997 e 2015, a mortalidade infantil caiu de 31,9 por mil nascidos vivos para 13,8.

“A vacina é muito eficaz, para ver basta não ser cego para os dados”, diz Kalil. Se a Organização Mundial da Saúde estima que de 2 a 3 milhões de vidas sejam salvas no mundo por ano graças à vacinação, o que explica o crescente movimento antivacinas? “O Brasil importou essa luta de alguns lugares dos EUA e da Europa. É um fenômeno que não chegou das pessoas menos educadas, pelo contrário, foram as mais educadas que importaram isso.”

Injeção de saúde
Vacinas estimulam as defesas naturais do corpo

Vacinas carregam formas atenuadas ou inativas das doenças. Após a aplicação, o corpo cria anticorpos contra os germes. No futuro, se preciso, os anticorpos estarão prontos para atacar.

Picadinha
Como nasceu a vacina

Em 1796, o médico inglês Edward Jenner coletou pus de uma camponesa infectada com varíola bovina e aplicou no braço do filho de seu jardineiro. O menino desenvolveu um pouco de febre e uma certa perda de apetite, mas logo ficou bom. Dois meses mais tarde, Jenner injetou varíola “de verdade” no garoto — que não pegou a doença. Nascia assim a vacina que, quase dois séculos mais tarde, proporcionaria a erradicação da varíola no mundo, em 1980.

Precoce
Edward Jenner aos 13 anos já era aprendiz de cirurgião em Bristol, no interior da Inglaterra. Inventou a primeira vacina da história após descobrir que mulheres que ordenhavam vacas eram imunes à varíola. O termo, inclusive, foi criado por ele — “vacina” vem do latim vaccinus, derivado de vacca.

País imune
Veja a evolução da vacinação para algumas doenças no Brasil

COMO DERRUBAR 5 BOBAGENS

Não causam autismo
Boato partiu de um estudo fraudulento

Esse mito surgiu em 1998, quando o cirurgião britânico Andrew Wakefield publicou os resultados de sua pesquisa com a vacina tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola - SCR) no renomado periódico The Lancet. Wakefield sugeriu que ela estaria provocando um aumento nos casos de autismo nas crianças.

A resposta foi imediata: a taxa de bebês menores que dois anos vacinados caiu abaixo dos 80% na Inglaterra. Mas, nos anos seguintes, investigações revelaram que Wakefield recebera dinheiro de um advogado que processava companhias fabricantes da SCR (ou seja, tinha interesse em prejudicá-las) e que o próprio cirurgião estava patenteando uma vacina de sarampo desenvolvida por ele. Em 2010, o The Lancet deletou o artigo e Wakefield teve a licença médica cassada. “Foi fraudulento, criminoso”, afirma o doutor Jorge Kalil. Pesquisas recentes nunca encontraram vínculo entre vacinas e autismo.

Sem medo de toxinas
Mito relacionado a mercúrio começou em 2005

Outro medo comum é de que vacinas contenham substâncias tóxicas à nossa saúde, como formaldeído, alumínio e mercúrio — que causa danos cerebrais. Essa história ganhou notoriedade nos EUA em 2005, com um artigo do advogado Robert F. Kennedy Jr. (sobrinho do ex-presidente Kennedy), no qual acusava o governo de ocultar evidências sobre os níveis de mercúrio nas vacinas. Mas nenhum estudo revelou tais evidências, já que esses elementos são usados só em casos pontuais, sem oferecer grandes riscos. “A vacina é derivada diretamente dos vírus que causam a doença”, afirma Kalil. “Mesmo em vacinas bacterianas, a toxicidade é muito baixa.”

Manter ameaças longe é trabalho constante
Batalha contra doenças nunca acaba

“Para que eu vou vacinar meu filho contra doenças que nem existem mais?” Essa questão é, segundo Jorge Kalil, o maior perigo para a imunização no Brasil hoje: as pessoas não veem mais doenças como sarampo, coqueluche, difteria, hepatite ou tétano por aí. Provavelmente só seus avós contraíram. Então é comum darem a batalha como ganha. Ledo engano. “Só desapareceram porque, com 80% a 90% da população vacinada, não há quem propague a doença”, explica Kalil. Basta que essa atitude se dissemine, essa taxa caia, para o retorno dos fantasmas do passado — e com eles milhares de vítimas.

Carga correta
Doses são adequadas para bebês

Muitos céticos criticam as aplicações de várias doses em um mesmo período — dizem que tomar tanta vacina de uma vez prejudica os mecanismos de defesa pouco desenvolvidos das crianças. “É um mito, não se sobrecarrega nada, estimula-se”, diz Kalil. Na verdade, em sua rotina normal, uma criança já lida com milhares de antígenos. Mesmo se todas as 19 vacinas oferecidas pelo SUS fossem aplicadas de uma só vez, ainda assim, estudos sugerem que menos de 0,5% do sistema imunológico do bebê seria comprometido.

Segurança é prioridade
Reações adversas são raras

“Isso é absolutamente absurdo”, afirma Kalil sobre o mito de que vacinas transmitem doenças. Algumas, como a da gripe, funcionam à base de vírus mortos (ou inativos). Outras, como a tríplice viral, contêm antígenos enfraquecidos (ou atenuados). “Reações adversas são raríssimas e muito bem estudadas”, assegura. A vacina da gripe é a que mais passa essa impressão. Por ser aplicada na troca de estação (abril e maio), período em que as variações de temperatura provocam o resfriado comum, acaba havendo essa confusão. Outra questão é que quem tomou a vacina já com o vírus no corpo, não tem tempo de evitar a gripe.

Leia a matéria original com ilustrações e infográficos.


(Reportagem André Jorge de Oliveira | Edição Giuliana de Toledo | Ilustração: Guira | Revista Galileu, dezembro 2017)


Notícias


Rua Anfilófio de Carvalho, 29/3º
Centro - Rio de Janeiro - RJ - Brasil
Cep: 20030-060

[+55] (21) 3907-8100

[+55] (21) 3907-8101

Fale conosco

webTexto é um sistema online da Calepino