Português > Notícias > O momento de fazer o que não fizemos


O momento de fazer o que não fizemos

  • Compartilhe:

Publicado em 17/04/2017

Leia artigo publicado no Jornal da Ciência, da vice-presidente Fundunesp e da SBPC, professora titular do IQAr-Unesp e Acadêmica Vanderlan Bolzani:

"’Histórias de sucesso como essas não se repetirão em nosso país: os recentes cortes no orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações terão como consequência o desmonte dessas atividades no país’. A frase contundente do artigo ’Ciência brasileira: últimos suspiros?’ publicado pelos presidentes da SBPC e da ABC, Helena Nader e Luiz Davidovich , no jornal Folha de S. Paulo, traz a constatação sombria de uma provável realidade que deveremos enfrentar nos próximos anos. A forma como essa realidade vai se concretizar nas carreiras e vidas de pesquisadores e docentes ainda mostra, neste momento, muitas dúvidas e indagações que não deixam espaço para qualquer otimismo. Quantos e quais programas de pesquisas serão interrompidos? Quantas instituições conseguirão manter sua condição de excelência? Quantas bolsas de pós-graduação, pós-doc, PhD, mestrado e iniciação científica deixarão de ser concedidas? Quanto conhecimento deixará de ser produzido? Qual será o saldo da redução no investimento das pesquisas estruturadas e consolidadas nos últimos anos?

Este pode ser o momento para nos dedicarmos com atenção a algumas ações que não conseguimos fazer durante os últimos anos. Devemos levar em conta alguns fatores. Entre eles o curto tempo transcorrido desde a criação do atual modelo de CT&I do País, que tem funcionado como restrição para um maior engajamento da comunidade científica em uma tarefa primordial. Isto é, criar vínculos com outras áreas da sociedade para destacar a importância de ciência e tecnologia para essa sociedade, em especial mostrar ao grande público o quanto a ciência é. Para alguns observadores da crise atual, a tranquilidade com que o governo adota medidas que levam ao desmonte da CT&I é um sinal sugestivo de sua segurança, sabendo que não encontrará resistências ao fazê-lo. E essa falta de resistência, sem dúvida, vem do desconhecimento da sociedade sobre o que a ciência pode fazer pelas pessoas e pelo país. E como ela pode ser um fator determinante de geração de valor, de inovação, de inclusão social e melhoria da qualidade de vida.

Um ponto básico desse processo parece ser a falta de uma visão abrangente do que foi construído no avanço do conhecimento, nas investigações científicas, nas tecnologias geradas nos últimos anos, e o que deixou de ser feito para estarmos ao lado de países que hoje ocupam posição de destaque, e que há 30 anos tinham situação semelhante à nossa. Ou, de outra forma, talvez mesmo, nós cientistas e professores não tenhamos muito claro um panorama geral dos avanços obtidos, das muitas dificuldades e limitações encontradas e do potencial a ser explorado nos próximos anos num país de grande dimensão territorial e riqueza natural. O que torna mais difícil a formação de uma consciência e a produção de um discurso de valorização da atividade científica de modo a atingir os vários segmentos da sociedade. Como levar essa informação a outros setores sociais se ela não está clara para nós mesmos?

Agora, mais do que nunca, esse trabalho de conscientização e comunicação tornou-se uma prioridade que, literalmente, pode estar relacionada à sobrevivência de programas e projetos que diferenciaram o país e na consolidação de novos que manterão o sistema de CT&I em funcionamento e robusto. Uma tarefa nada fácil quando se considera o dia a dia da vida acadêmica de muitos profissionais, de quem se exige muito mais que docência, pesquisa e extensão. As exigências atuais vão além de publicações de impacto, exige-se gestão, transferência de conhecimento, patentes, índice h além da imersão permanente no mundo dos relatórios e na elaboração de grandes projetos, cada dia mais competitivos.

O artigo dos professores Helena Nader e Luiz Davidovich está sinalizando com letras vermelhas a gravidade do momento que vivemos, também na área de CT&I. O texto toma como exemplo as grandes referências em tecnologia brasileira construídas no século passado, Embrapa, Petrobras e Embraer. Hoje, centenas de pequenos e médios projetos de pesquisa aplicada, assim como empresas de base tecnológica, estão em formação e dependem para seu sucesso de recursos públicos para se tornarem o sucesso deste século. É pouco provável que a extinção dessas iniciativas chegue ao conhecimento da sociedade ou que esta venha contabilizar a perda desse esforço, e do que deixou de ganhar, simplesmente pelo desconhecimento de sua importância.

No próximo dia 22, teremos a Marcha pela Ciência, evento de âmbito mundial. Esperamos que toda comunidade, cientistas, educadores, estudantes e profissionais ligados à área de CT&I saiam às ruas para disseminar a ideia de que a ciência é fundamental para a construção de políticas e regulamentos de interesse público. Este pode ser um primeiro passo importante para a criação de uma nova mentalidade da sociedade brasileira sobre o que representa a ciência e a atividade de pesquisa em todas as áreas do conhecimento para o fortalecimento de um país."


(Vanderlan Bolzani para o Jornal da Ciência / Foto: Leo Rocha para Pesquisa Fapesp)


Notícias


Rua Anfilófio de Carvalho, 29/3º
Centro - Rio de Janeiro - RJ - Brasil
Cep: 20030-060

[+55] (21) 3907-8100

[+55] (21) 3907-8101

Fale conosco

webTexto é um sistema online da Calepino