Cérebro, biomúsica e a terceira cultura

  • Compartilhe:

Publicado em 15/03/2017

Em artigo, o Acadêmico Sérgio Mascarenhas fala sobre o projeto que conjuga áreas da ciência e música, que está sendo chamado Biomúsica, e a importância da integração entre Ciência e Tecnologia e as ciências humanas para o desenvolvimento.

O futuro da humanidade depende da união virtuosa da Ciência e Tecnologia com as Humanidades (artes, literatura, história, filosofia). C.P.Snow denominou essa utopia de Terceira Cultura. Uma realização efetiva dessa transdisciplinaridade já ocorre com o uso de sofisticadas tecnologias como das áreas de matemática, física, bioinformática com música, artes plásticas e linguística. Uma das tentativas mais interessantes nas quais estou envolvido é o que podemos chamar de Biomúsica com três vertentes:

1-    A partir da estrutura molecular de biomoléculas como proteínas, polinucleotídeos, lipídios, glicídios;
2-    A partir de técnicas de imagens ou de análise espectroscópica de funções biológicas como ressonância nuclear magnética funcional;
3-    A partir da bioinformática com o uso de técnicas de análise de sinais biológicos com redes neurais, autômatos celulares, envolvendo o que se chama de machine-learning e/ou métodos de sistemas complexos.

Em todas essas áreas aparece imediatamente uma necessidade fundamental: as técnicas de ciências básicas como matemática e suas vertentes modernas como topologia, teoria de números, fractais ou na biofísica e bioengenharia com suas poderosas técnicas de imageologia espectroscopias e hardwares e softwares associados, que não podem expressar sozinhos valores da estética ligados tanto à expressão musical ligada  à estrutura das composições, como com o próprio psiquismo da percepção musical, por ex. na psicoacústica ou na musicofilia tão bem analisada por Oliver Sacks. No meu caso, tomei a estrutura primária de uma proteína ligada ao veneno de serpente usada em cardiologia ou da insulina ligada ao diabetes. Criei uma planilha de correspondência entre os aminoácidos e as notas de uma dada escala musical . Para o ritmo essencial para a expressão musical utilizei frequências biológicas como batimentos cardíacos, frequências respiratórias.

Naturalmente deixei a cargo dos músicos profissionais co-autores a expressão final das composições. Esses trabalhos foram registrados no Estudio Berimbau em Sao Carlos SP onde podem ser obtidos por solicitação no site www.estudioberimbau.com.br . Um excelente número de composições tipo terceira cultura tem sido realizadas pioneiramente pelo Prof. Norberto Cairasco neuro-cientista da Fac. Med. Ribeirão Preto nas quais ele associa a música executada por grupo musicais com sua própria inspiração ao ouvi-la executando maravilhosas ilustrações por meio de aplicativos digitais.

(Sérgio Mascarenhas, 15/03/2017)



Cadastre-se para receber
as Notícias da ABC:



Arquivo de notícias


 

Notícias anteriores TESTE


webTexto é um sistema online da Calepino