Cientistas correm em busca de vacina contra zika

  • Compartilhe:

Publicado em 07/02/2017

Em matéria do jornal O Globo, o Acadêmico e diretor do Instituto Oswaldo Cruz, Wilson Savino, fala sobre o trabalho de pesquisadores para chegar a uma vacina contra o vírus da zika. Já são 39 grupos que se dedicam a este estudo, segundo a OMS.

Desde que a epidemia de zika foi declarada emergência de saúde pública no Brasil, em novembro de 2015, a comunidade científica internacional vem unindo esforços para desenvolver uma vacina eficaz contra o vírus. Hoje, existem 39 projetos em andamento, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Entre as iniciativas mais avançadas, cinco estão na chamada fase 1, a dos testes em humanos. Se os resultados forem positivos nessa etapa, a imunização passará por mais duas amplas rodadas de testes, com número maior de participantes, até atingir a possibilidade de ser liberada para a população.

No Brasil, a grande aposta do Ministério da Saúde é uma vacina desenvolvida pelo Instituto Evandro Chagas, do Pará, em parceria com a Universidade Medical Branch do Texas, nos Estados Unidos. A previsão é de que os testes da vacina brasileira em humanos comecem ainda este semestre. O processo que começa com a criação e termina com a disponibilização de uma vacina dura, em média, dez anos; mas é provável que a da zika leve menos, já que vários países estão numa corrida por ela. Hoje já existem vacinas contra dengue e febre amarela. Estudos sobre a imunização contra a chicungunha, outra doença transmitida pelo Aedes, estão menos adiantados.

DOENÇA TEM APENAS UM TIPO DE VÍRUS


Um dos pontos que tornam essa tarefa menos complexa é que existe somente um tipo de vírus da zika, ao contrário de outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, como a dengue, que tem quatro cepas.

- Tenho praticamente certeza de que desenvolveremos uma vacina mais rapidamente. Devemos avançar, nos próximos anos, para a obtenção de uma imunização ou até de mais de uma - afirma Wilson Savino, diretor do Instituto Oswaldo Cruz e membro do Gabinete de Enfrentamento à Emergência em Saúde Pública da Fiocruz.

Uma vez consolidada pelo Instituto Evandro Chagas, essa vacina terá tanto seus estudos clínicos quanto sua fabricação realizados pela Fiocruz. O projeto pretende criar uma vacina com o vírus atenuado, o mesmo princípio da imunização contra a febre amarela, que tem eficácia de mais de 95%.

Segundo Savino, uma das dificuldades para alcançar uma vacina segura e eficaz é que ainda não se conhece com exatidão a resposta do corpo humano ao vírus da zika. Não se sabe, por exemplo, se os indivíduos ficam imunes a uma segunda infecção e se a resposta imunológica à dengue pode influenciar a da zika, ou vice-versa.
Outro ponto fundamental é que, enquanto grande parte das outras vacinas é contraindicada para grávidas, a da zika precisa ser especialmente aplicada nesse grupo, para evitar o risco de a infecção afetar o desenvolvimento cerebral do feto.

O primeiro projeto de vacina da zika a ter liberação para iniciar testes em humanos, em julho do ano passado, foi o elaborado pela farmacêutica americana Inovio em parceria com a empresa sul-coreana GeneOne Life Sciences. Consiste em usar um fragmento do DNA do vírus, criado em laboratório, para estimular uma resposta imunológica. Esse método é considerado o futuro da vacinação mundial. Segundo as empresas parceiras, a previsão é de que a fase 1 seja concluída no fim deste ano ou no início de 2018.

Outro projeto promissor é o desenvolvido pela Sanofi Pasteur - responsável pela primeira vacina contra a dengue - em conjunto com centros de pesquisa da Universidade de Harvard, nos EUA. Também na fase 1, essa iniciativa tem o objetivo de criar uma imunização à base do vírus da zika inativado, eliminando o risco de efeitos colaterais. Essa técnica é utilizada para as vacinas contra poliomielite e hepatite A, por exemplo.

Alguns cientistas também buscam uma imunização eficaz contra o chicungunha. São dois projetos em curso até o momento, ambos fora do país. Ano passado, o número de casos dessa doença no Brasil superou o da zika.

PARANÁ APLICA VACINA CONTRA DENGUE

Já a dengue, velha conhecida dos brasileiros, encontrou uma adversária à altura há pouco mais de um ano, quando a primeira vacina contra a doença foi aprovada no país. Criada pela Sanofi, a imunização feita em três doses começou a ser aplicada no Paraná, em agosto de 2016. Disponível na rede pública do estado, a vacina tem eficácia de 74% já na primeira dose. No entanto, a cobertura ainda está muito aquém do desejado. A meta era vacinar 80% do público-alvo - pessoas entre 15 e 27 anos -, mas apenas 40% compareceram aos postos. No restante do país, a vacina só está disponível em clínicas privadas.

- Traçamos uma meta ousada. Mas acho que a cobertura foi satisfatória, em especial por se tratar de uma vacina inédita e de o início da campanha ter sido no inverno, quando há poucos casos - analisa Júlia Cordellini, diretora do centro de epidemiologia da Secretaria de Saúde do Paraná.

A segunda dose da vacina começará a ser dada em 3 de março, e o próximo reforço está programado para setembro.
O último grande surto de dengue no Brasil ocorreu em 2013, quando mais de dois milhões de pessoas foram afetadas. E, mesmo sem grande alarme, os números continuaram altos desde então. No ano passado, o Ministério da Saúde recebeu quase 1,5 milhão de notificações.

Veja aqui a matéria original, que faz parte de um especial do jornal O Globo sobre o mosquito aedes aegypti. Veja também as outras matérias que compõe o caderno e estão disponíveis no site do jornal:

Na guerra ao mosquito, a informação é arma principal
Chicungunha: as dores de uma doença silenciosa
'A epidemia de zika é espelho da desigualdade', diz antropóloga

(Clarissa Pains para O Globo, 04/02/2017)



Cadastre-se para receber
as Notícias da ABC:



Arquivo de notícias


 

Notícias anteriores TESTE


webTexto é um sistema online da Calepino