Uma chamada à ação para melhorar a reprodutibilidade da pesquisa biomédica

  • Compartilhe:

Publicado em 07/10/2016



É assim que sabemos que descobertas científicas são válidas: se um experimento produz um resultado uma vez, então ele provavelmente vai produzi-lo uma segunda vez, uma terceira e assim por diante, cada vez que o experimento for repetido. No entanto, alguns estudos produzem resultados que não podem ser reproduzidos.

Tornar os procedimentos de pesquisa mais consistentes eleva à confiança do público na ciência biomédica, além de permitir a melhoria dos produtos e serviços de saúde para todos. É por isso que, no dia 27 de setembro, 46 Academias membros da Parceria InterAcademias (IAP) comprometeram-se a tomar medidas para resolver problemas de reprodutibilidade, por meio da declaração intitulada "Uma chamada à ação para melhorar a reprodutibilidade da pesquisa biomédica".

O documento traça as causas de resultados irreproduzíveis e reconhece o papel de liderança das Academias, que podem conduzir a resposta a este desafio em seus próprios países e no mundo. O documento (em inglês) pode ser acessado aqui. A Academia Brasileira de Ciências, que faz parte do IAP, é uma das signatárias.

De acordo com a declaração, resultados podem ser irreproduzíveis simplesmente por causa da variabilidade natural nos sistemas biológicos em estudo. Além disso, isso pode acontecer quando os cientistas não relatam com precisão os detalhes de como o experimento foi realizado para que outros possam segui-lo; porque os experimentos são falhos; ou mesmo porque os dados produzidos não foram analisados de forma consistente.

Quaisquer que sejam as razões, esta falta de reprodutibilidade na pesquisa é motivo de crescente preocupação entre os cientistas e o público, que exige a garantia da qualidade da evidência, tanto na pesquisa biomédica quanto na ciência em geral.

O desafio da reprodutibilidade é evidente. O "Projeto Reprodutibilidade: Psicologia", por exemplo, que divulgou seus resultados no ano passado, buscou reproduzir 100 estudos da  psicologia e revelou que apenas 36% das suas tentativas de replicação produziram resultados significativos, enquanto 97% dos estudos originais alegaram tê-lo feito. Outras conclusões semelhantes surgiram a partir de campos de estudo como biologia do câncer e desenvolvimento de medicamentos.

As Academias destacam que a pesquisa que não pode ser reproduzida desperdiça recursos e atrasa a tradução dos resultados em aplicações clínicas. Elas também têm o potencial de minar a confiança do público nos resultados da investigação, o que ameaça a reputação da ciência biomédica.

Entre suas recomendações, a declaração clama por uma mudança na cultura da ciência que leve ao uso de métodos científicos sólidos. Em relação à progressão na carreira, pede a valorização das boas práticas de pesquisa tanto quanto de novas descobertas.

A declaração recomenda que os financiadores definam o tom para a pesquisa reprodutível, por exemplo, avaliando rigorosamente a proposta de designs experimentais; e insta os editores de revistas a aumentar a abertura e transparência por meio da publicação de repetições de pesquisas anteriores ou resultados negativos. A declaração também incentiva Academias e outros membros da comunidade científica a tomar medidas para garantir que a revisão por pares concentre-se na qualidade da ciência mais do que em qualquer "emoção" potencial gerada pelos resultados.

Finalmente, a declaração do IAP For Health encoraja os cientistas a participarem abertamente do diálogo global em torno de como melhorar a reprodutibilidade dos resultados em todo o ambiente de pesquisa internacional.

Lai Meng Looi, da Academia de Ciências da Malásia e co-presidente do IAP For Health, voltado para a saúde, diz: "A questão dos resultados irreproduzíveis afeta pesquisadores em todos os países - de alta, média e baixa renda. Ao lançarmos esta declaração, esperamos que o IAP for Health e suas Academias membros, representando a comunidade científica, sejam capazes de aumentar a conscientização sobre a questão. Esperamos que nossas Academias membros agora a apresentem diretamente para seus governos nacionais e a divulguem nas comunidades científicas de seus países, de modo que as nossas recomendações possam começar a ser implementadas."

O outro co-presidente do IAP For Health, Detlev Ganten, da Academia Leopoldina de Ciências da Alemanha, acrescentou: "Como todas as declarações do IAP, esta, sobre a reprodutibilidade, foi amplamente revista. Apresenta - com base nas evidências mais recentes de nossas Academias membros - a melhor e mais imparcial recomendação para os tomadores de decisão, a nível nacional ou internacional, bem como aos pesquisadores biomédicos e de saúde, aos editores científicos e agências de financiamento".

"Os resultados irreproduzíveis são muitas vezes evitáveis", afirma Dorothy Bishop, professora de neuropsicologia do desenvolvimento na Universidade de Oxford, no Reino Unido, e presidente do grupo de trabalho do IAP For Health que produziu a declaração. "Devemos reunir esforços para lidar com as principais áreas destacadas na declaração do IAP. Precisamos de um trabalho concentrado de Academias, da comunidade científica, financiadores, instituições e editores de todo o mundo para reforçar a robustez da pesquisa médica revisada por pares e manter a confiança nas suas conclusões."

A declaração "Uma chamada à ação para melhorar a reprodutibilidade da pesquisa biomédica" foi lançada durante a Conferência sobre Promoção da Saúde do IAP For Health, realizada em Pequim, China, nos dias 27 e 28 de setembro.

Sobre o IAP For Health


O IAP For Health é uma das redes que compõem o IAP (Parceria InterAcademias). Compreende 78 Academias de medicina, assim como de ciência e engenharia que tenham seções médicas. A rede está empenhada em melhorar a saúde em todo o mundo, por meio de iniciativas que incluem a produção de declarações de consenso em assuntos de importância para a saúde global. As declarações do IAP For Health, como esta, são preparadas por grupos de trabalho compostos por peritos nomeados pelas Academias membros, e são divulgadas depois de terem sido endossadas por mais da metade das Academias membros da rede.



Para informação adicional:

Vitor Vieira
Academia Brasileira de Ciências
(21) 3907-8145
vvieira@abc.org.br

Peter McGrath
IAP Coordinator
Trieste, Italy
mcgrath@twas.org

Sean Treacy
TWAS Public Information Office
Trieste, Italy
streacy@twas.org




Cadastre-se para receber
as Notícias da ABC:



Arquivo de notícias


 

Notícias anteriores TESTE


webTexto é um sistema online da Calepino