Pesquisadores brasileiros comprovam relação entre o vírus zika e a microcefalia

  • Compartilhe:

Publicado em 12/04/2016



Cientistas da UFRJ, da Unicamp e do Instituto D'Or apresentaram na segunda-feira (11), na Academia Brasileira de Ciências, no Centro do Rio, detalhes de sua pesquisa conjunta, iniciada em fevereiro, sobre a correlação entre o vírus da zika e a microcefalia. Segundo os pesquisadores, medicamentos que podem proteger os tecidos neurais de fetos expostos ao vírus já estão sendo testados.

"Estamos trabalhando com medicamentos que são usados para outras situações e que podem ser usados em mulheres grávidas. O teste de novos medicamentos é mais demorado e levaria mais tempo, exigindo um processo de aprovação da Anvisa e outras burocracias necessárias para a liberação do remédio", afirmou o neurocientista Stevens Rehen, do Instituto D'Or e da UFRJ, um dos responsáveis pelo estudo.

Rehen destacou que o teste de medicamentos que estão no mercado faz parte da necessidade de dar uma resposta rápida a uma questão urgente da sociedade.
Segundo ele, dez remédios já foram testados, e um deles apresenta resultados promissores. A equipe também pretende testar o impacto de diferentes tipos de dieta na saúde das gestantes para saber se a alimentação também pode ser usada como um tratamento.

Os testes são realizados com a ajuda de dois robôs de última geração, capazes de fazer análises celulares em alta escala, para apresentar resultados mais rapidamente.

Para realizar o estudo em 25 dias, entre 6 de fevereiro e 2 de março, quando o artigo foi submetido à revista "Science", os cientistas se revezaram 24 horas por dia, em dois turnos de 12 horas cada, em dois laboratórios, no Instituto D'Or e na UFRJ.

Redução de 40% no desenvolvimento cerebral

O estudo, considerado fundamental para a compreensão da relação entre zika e microcefalia, mostrou que o vírus é capaz de atacar células cerebrais humanas e reduzir em 40% o desenvolvimento cerebral. Os pesquisadores concluíram que, em apenas seis dias, o vírus da zika já está matando principalmente as células tronco neurais, as mais afetadas, por meio de um receptor chamado AXL.

"Testamos a infecção do vírus por 11 dias, o que equivaleria a um mês de gestação, e percebemos a progressão de destruição de 40%", afirmou a pesquisadora Patricia Garcez.

Os estudiosos se surpreenderam com a capacidade de destruição do vírus. "Com as células isoladas, nós ficamos surpresos com a progressão da destruição", comentou Patricia.

LEMBRETE!
Convidamos a todos para estarem conosco na Reunião Magna da ABC 2016 no Museu do Amanhã comemorando nosso Centenário! Veja a programação para escolher os dias e turnos de seu interesse. Inscrições para Acadêmicos abertas até o dia 20 de abril e abertas ao público a partir desta data.

Mais informações aqui.

(G1)



Cadastre-se para receber
as Notícias da ABC:



Arquivo de notícias


 

Notícias anteriores TESTE


webTexto é um sistema online da Calepino