Erreur : filtre <b>« - #TITRE »</b> non défini

REUNIÃO MAGNA 2009

Métodos de alfabetização

28/05/2009

João Batista Araújo e Oliveira é graduado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, com mestrado na mesma área pela Tulane University e doutorado em Pesquisa Educacional, pela Florida State University. É presidente do Instituto Alfa e Beto. Em sua palestra no Simpósio sobre Aprendizagem Infantil, ocorrido durante a Reunião Magna da ABC 2009, o especialista defendeu a utilização método fônico sintético para que se tenha melhores resultados na alfabetização.

Ele citou Freinet, pedagogo francês que resgatou, no início do séc.XX, a idéia do método global: a aprendizagem e a leitura são coisas naturais, então, a maneira de apresentar um texto é com palavras, portanto devemos ensinar com palavras. "Na segunda metade do século XX essa metodologia ressurgiu com um novo nome no mundo anglo-saxão, - whole language -, no mundo latino, com o nome de 'construtivismo.'"

Segundo o educador, é da década de 60 em diante que se desenvolvem métodos estatísticos mais rigorosos. Em 1966 é publicado o Relatório Coleman, no qual ficou estabelecido que as características familiares são mais importantes que os fatores escolares em determinar o desempenho escolar. "Ele compara a eficácia de escolas e de diferentes intervenções, jogando uma ducha de água fria em geral na questão escolar, pois afirma que a escola não acrescenta muito àquilo que se trás de casa". Essa visão foi reforçada por estudos de economistas e sociólogos, e a pesquisa sobre experimentação de métodos em alfabetização continuou sendo desenvolvida por alguns interessados, mas a questão permaneceu viva, porque se as crianças não aprendem a ler direito o custo é enorme em nível individual e para toda a sociedade.

Em 1990, foi feito um estudo recomendado pelo congresso americano, publicado pela professora Marilyn Adams, em que ela revê a literatura produzida desde 1960, com base na psicologia cognitiva e na neurociência. Ela inicia então uma nova etapa de investigação sobre alfabetização, partindo de uma questão muito simples: o que é ler e o que é alfabetizar. "Alfabetizar e ler é exatamente decodificar, aprender a palavra escrita", destacou João Batista.

A pesquisa de Adams recolocou na discussão metodológica a centralidade da decodificação e mostrou que os estudos relevam a importância da consciência fonológica e fonêmica como fatores associados a fatores fortes de predição do sucesso da alfabetização. "Ela conclui que métodos fônicos, que usam a associação fonema-grafema, quando implementados de maneira sistemática e explicita, são mais eficazes do que os outros", apontou João Batista. 

Como essa conclusão provocou grande polêmica, pois contrariava os princípios do construtivismo, o Departamento de Saúde dos Estados Unidos e a Academia americana fizeram um estudo, publicado no ano 2000 sob o nome de National Reading Report Painel.

"Esse relatório revê 100 mil estudos, descarta a maioria deles por falta de qualidade científica, fica com 68 comparações relevantes e a partir dessas, que incluem milhares de crianças, tira as conclusões que hoje fundamentam, basicamente, o conhecimento que nós temos sobre o tema", esclarece João Batista.  Essa pesquisa reforça a idéia de que os métodos fônicos são mais eficazes do que os outros e se aprofunda no tema, avaliando as variações destes métodos. "De modo geral, ficou comprovado que esses métodos funcionam melhor para os que têm mais dificuldade, ajudam a desenvolver competência de compreensão, ajuda na aprendizagem da ortografia e são mais impactantes para as crianças de nível econômico mais baixo."

A conclusão do relatório, segundo João Batista, é o atual paradigma científico, o ponto de referência. "Os fatos apresentados devem persuadir os educadores e o público de que o ensino sistemático através do método fônico é uma parte fundamental do processo de alfabetização". Esses estudos foram contestados e a maioria dessas contestações foi respondida em dois estudos importantes. Um deles afirma que não basta apenas usar qualquer método fônico, o melhor é o fônico sintético, que apresenta as relações de fonema e grafema de forma sistemática e explícita. "Isso é mostrado em função de vários indicadores, do resultado do desempenho de crianças em diferentes tipos de teste, que não apenas medem a decodificação como a fluência de leitura e a compreensão."

O método fônico também tem um impacto significativo quando é usado em países como a Alemanha ou a Itália. "Então, não é uma questão de língua", ressalta João Batista. Ele explica que crianças de países diferentes têm dificuldades ortográficas diferentes, dado que a complexidade ortográfica de cada língua é diferente - algumas são mais difíceis e levam mais tempo para serem aprendidas. "Ou seja, não tem nada a ver com a compreensão e sim com a questão da decodificação, da capacidade de transcrição de cada sistema fonético", observa o psicólogo e educador.

O entendimento deste ponto de vista sobre o fenômeno da alfabetização visa uma transformação desses conceitos em política pública, de acordo com João Batista. "É importante hoje termos um conhecimento razoavelmente sólido sobre a questão do método da alfabetização. No Brasil essas questões ainda estão longe de serem entendidas e resolvidas. Se formos examinar as 30 revistas de psicologia cognitiva mais importantes do mundo, só têm quatro brasileiros que publicam nelas sobre alfabetização. Isso mostra que o Brasil freqüenta muito pouco o que há de mais recente e atualizado nessa área. Portanto, é importante que esse trabalho da Academia seja difundido para que se tenha um entendimento melhor dessa questão, trazendo-a para a consideração das autoridades e da comunidade acadêmica", concluiu João Batista Oliveira.

Todas as matérias deste site podem ser reproduzidas, desde que citada a fonte.

Leia também


ABC convida candidatos a debater programa de governo em CT&I

Avanço do sistema universitário depende de decisões fortes e polêmicas

'É preciso que haja um consenso global sobre a importância da educação', diz especialista do Banco Mundial

Ciências sociais e da natureza: juntas a serviço de uma sociedade sustentável

Em primeira visita à ABC, ministro da Educação defende expansão do acesso e tratamento diferenciado às universidades

As minas e o homem: duas realidades que precisam dialogar

Mudanças no ensino superior

Excelência x conservadorismo

Pobreza: definição, medição e combate em prol da sustentabilidade

CPTEC/INPE promove seminários de Modelagem Atmosférica

Novo modelo pode ajudar no tratamento do Mal de Alzheimer

Falecimento do Acadêmico Vitor Baranauskas

Brasil conquista medalhas de ouro e prata em competição para estudantes universitários

José Murilo de Carvalho será titulado Doutor Honoris Causa da Universidade de Coimbra

Cerimônia do Prêmio Almirante Álvaro Alberto acontece em Brasília

'Se não fossem as termoelétricas, estaríamos no escuro'

Missão da Comissão Europeia visita o Laboratório NanoBioss (IQ-Unicamp)

Momento para mudanças conceituais

Energia sustentável e redução de riscos de desastres

Abertas as inscrições para o Prêmio Vale-Capes 2014

Acadêmico é o primeiro brasileiro a receber prêmio americano de oftalmologia

Eliete Bouskela recebe Medalha Tiradentes

Começa a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

Membro correspondente da ABC recebe mais alto prêmio da Associação Alemã de Materiais

Simpósio 'Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções'

'Para Mulheres na Ciência' realiza mesa-redonda com laureadas

Políticas de ciência como solução para problemas globais

16th Young Scientists Conference TWAS ROLAC




Notícias da ABC


Veja todas as notícias


Rua Anfilófio de Carvalho, 29/3o andar, Centro
Rio de Janeiro, Brasil. Cep: 20030-060
Tel: [+55](21)3907-8100
Fax: [+55](21)3907-8101

Conteúdo retirado do site da Academia Brasileira de Ciências - www.abc.org.br