Português > Atuação > Nacional > Programas Científicos > Prêmio L’Oréal-Unesco-ABC para Mulheres na Ciência 2008


Prêmio L’Oréal-Unesco-ABC para Mulheres na Ciência 2008

A jornalista Renata Capucci foi a apresentadora da cerimônia de premiação, convidando inicialmente o presidente da L’Oréal Brasil, Sr. François-Xavier Fenart, para abrir o evento. Fenart destacou a crescente importância das mulheres na ciência e afirmou seu orgulho e da empresa em apoiar esse Programa que, a seu ver, impulsionando a ciência está investindo no grande potencial de desenvolvimento do país. Parabenizou as premiadas e reconheceu o sucesso da parceria com a Unesco e a ABC.

O presidente da Academia Brasileira de Ciências, Jacob Palis , cumprimentou as autoridades e o público presente. Palis destacou esta parceria da ABC com a L’Oréal e a Unesco como uma das suas mais importantes atividades, por selecionar jovens de grande talento que certamente terão impacto na ciência brasileira nos anos vindouros. "A ciência brasileira tem crescido vigorosamente nos últimos anos, assim como a presença da mulher nesse cenário. Este prêmio certamente está colaborando com o desenvolvimento da ciência no país e com o incremento da participação feminina neste contexto e na Academia Brasileira de Ciências."

O Oficial de Ciência e Tecnologia da Unesco no Brasil, Ary Mergulhão, cumprimentou as premiadas e suas famílias, referindo-se à competência das primeiras e ao apoio fundamental das últimas. "A razão de ser do desenvolvimento científico e tecnológico é a melhoria da qualidade de vida das pessoas e a promoção da aproximação entre os povos", disse Mergulhão. Em nome do presidente da L’Oréal Brasil, Vincent Defourny, que não pode comparecer, Mergulhão considera este tipo de iniciativa uma contribuição que empresas podem dar a uma política de desenvolvimento científico fundamental para o crescimento do país.


Marcelo Viana, Jacob Palis, Beatriz Barbuy, Jailson de Andrade, Suely Bordalo, Pedro Lessa, Belita Koiller 

Seguiu-se a apresentação dos membros do júri que escolheram as cientistas vencedoras do Programa Para Mulheres na Ciência 2008. "A seriedade e a competência deste júri dão credibilidade e substância a este Programa", disse Renata Capucci. Estavam presentes, além do presidente do júri Jacob Palis, os Acadêmicos Marcelo Viana, matemático do IMPA; Beatriz Barbuy, astrofísica da USP; Belita Koiller, física da UFRJ. Completavam o grupo de jurados a diretora científica da L’Oréal Brasil, Suely Bordalo, e o coordenador do escritório da Unesco no Rio de Janeiro, Pedro Lessa.

Belita Koiller falou em nome dos jurados, destacando a importância desse tipo de ação conjunta para a sociedade brasileira de uma empresa como a L’Oréal com órgãos como a Unesco e a ABC. Parabenizou então as homenageadas da noite e destacou que "é muito importante que outras jovens mulheres vejam a carreira científica como uma opção real, pois muitas vezes não a consideram como uma perspectiva viável. O exemplo das premiadas serve como incentivo para que aumente o número de mulheres competentes na ciência brasileira. O Brasil e o mundo precisam disso", concluiu Belita.

Os membros do júri e Acadêmicos Mayana Zatz , geneticista da USP; Lucia Previato, bióloga da UFRJ; e Francisco Salzano , geneticista da UFRGS, infelizmente não puderam comparecer, por estarem comprometidos com Congressos fora do país. Todos enviaram às laureadas de 2008, que foram apresentadas em seguida, mensagens de imenso contentamento com a indicação de cada uma, desejando a todas sucessos e conquistas.

Para a entrega dos certificados às premiadas, foram convidadas grandes mulheres, que se destacam em diversas áreas da sociedade. A empresária Lily Marinho; Tatiane Lima, responsável por diversos programas de inclusão digital no Rio de Janeiro e que atualmente administra o Programa de Implementação de Bibliotecas Virtuais nas Comunidades da Baixada Fluminense; Betty Lagardère, presidente e administradora da Fundação Jean Luc Lagardère, na França; Márcia Neder, diretora de redação da Revista Claudia da Editora Abril; Lucinha Araújo, presidente da Sociedade Viva Cazuza; Elisa Reis , vice-presidente regional da Academia Brasileira de Ciências.

Cinco das sete premiadas de 2007 e uma das premiadas de 2006 estavam presentes no evento. Monica Andersen, do Departamento de Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), discursou em nome de todas. Referiu-se ao aumento do número de jovens competentes que fazem ciência nesse país atualmente, nas mais diversas áreas, e afirmou ser um prazer e um dever das premiadas em anos anteriores passar sua experiência após um ou dois anos de trabalho com o apoio do grant L’Oréal-Unesco-ABC. "Hoje são vocês que merecidamente estão sendo homenageadas e tendo essa oportunidade, que certamente marcará suas carreiras como marcou as nossas. Estamos aqui esta noite representando e homenageando cada mulher dedicada à Ciência nesse país. Parabéns aos criadores deste prêmio e a vocês, premiadas de 2008."


Glaucia Martinez, Ida Schwartz, Lúcia Codognoto, Mônica Andersen, Wang Qiaoling

Após o seu discurso, em entrevista para as Notícias da ABC, a biomédica goiana Monica Andersen falou sobre seu trabalho na Unifesp, onde desenvolve o projeto que lhe deu o prêmio no ano passado. "Meu trabalho envolve a verificação dos efeitos da falta de sono sobre a função sexual masculina. Na sociedade contemporânea as pessoas não dormem direito e excedem o tempo de vigília. Com isso, diversas funções do nosso corpo são comprometidas e uma delas é a sexual".

Mônica assegurou que o prêmio é um divisor de águas. "Você passa a ser conhecida como vencedora do Programa Para Mulheres na Ciência . Ganhei uma bolsa de produtividade do CNPq, comprei equipamentos, viajei, fui a congressos e conheci outras pessoas que trabalham na minha área, estabeleci novas colaborações."

As outras pesquisadoras também deram seu depoimento para as Notícias da ABC sobre a importância do Programa L’Oréal-Unesco-ABC para Mulheres na Ciência para o estímulo e incentivo da ciência brasileira.

A bioquímica paulista Gláucia Martinez, professora e pesquisadora da Universidade Federal do Paraná (UFPR), recebeu o prêmio em 2007 por se u estudo era sobre danos ao DNA pelo oxigênio singlete e o papel da melanina e de flavonóides nesses sistemas. "Os recursos que recebi foram muito proveitosos, possibilitaram a criação de uma infra-estrutura que vai permanecer no laboratório. Passei a ter uma procura muito grande por parte de outros professores e de estudantes interessados em que eu oriente seus doutorados, recebi convites para apresentar o trabalho em congressos, tudo em virtude do prêmio. Os resultados não aparecem apenas no ano da premiação, eles repercutem nos anos seguintes", afirmou Gláucia.

Ida Schwartz, médica e geneticista gaúcha da UFRGS, foi premiada em 2007 pelo projeto Rede MPS Brasil: Investigação Integrada e Abrangente das Mucopolissacaridoses no Brasil. "O prêmio foi essencial para que a rede continuasse a existir. Foi por intermédio desse incentivo que foi possível continuar a fazer testes e diagnósticos para este tipo de doença".

Wang Qiaoling graduou-se em Matemática na China e fez toda a pós-graduação na UnB, onde desenvolve seu projeto premiado, intitulado Auto-valores do Operador Poli-harmônico e o Teorema da Esfera. Contou que pôde comprar muitos equipamentos e convidar pessoas para colaborar com seu trabalho. "Isso porque fazer pesquisa sozinha não dá. Você tem que viajar, participar de congressos e seminários, tudo isso contribui para a pesquisa". Segundo Wang, depois da premiação ela se tornou pesquisadora do CNPq, escreveu mais artigos e publicou em periódicos de mais qualidade.

Lucia Codognoto, química paranaense, trabalha no Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Universidade do Vale do Paraíba (Univap). Em 2007 recebeu o prêmio pelo projeto Determinação de Cumarina em Formulações Farmacêuticas Utilizando Análise por Injeção em Fluxo com Detecção Fluorimétrica. "O recurso ajudou muito porque eu tinha sido recém contratada. Com o prêmio, consegui comprar mais equipamentos e computadores. Ainda estamos investindo. Se tudo der certo, no meio do ano que vem sai uma dissertação de mestrado, orientada por mim e defendida com o auxílio do Programa Para Mulheres na Ciência", declarou a pesquisadora.

Única das vencedoras de 2006 presente ao evento, a química carioca Yraima Cordeiro trabalha no Departamento de Fármacos da UFRJ. Recebeu o prêmio por seu trabalho com a doença de Príon, que é neurodegenerativa. "Ela é causada por uma forma anormal de uma proteína que todos nós, mamíferos, possuímos no sistema nervoso central. A pesquisa é voltada para a compreensão dos mecanismos moleculares que geriram essa causa da doença", explicou a cientista.

Segundo Yraima, o prêmio possibilitou o reconhecimento e a repercussão do seu trabalho. "O apoio financeiro impulsionou o meu trabalho: consegui começar a montar o meu laboratório e ir a dois congressos internacionais. O prêmio dá muita visibilidade e não só no meio científico. Um projeto voltado para a pesquisa básica ao qual a sociedade tem pouco acesso, se tornou algo mais visível e compreensível para todo mundo", garantiu a pesquisadora.

Entre as autoridades que prestigiaram o evento estavam o ministro de Ciência e Tecnologia em exercício, Luiz Antonio Rodrigues Elias; o secretário de Ciência e Tecnologia do Estado do Rio de Janeiro, Alexandre Cardoso, representando o governador do Estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral; o presidente da Faperj, Ruy Marques; o secretário de Fazenda do Estado do Rio de Janeiro, Joaquim Levy; o presidente da Fundação Getúlio Vargas, Carlos Ivan; o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, João Carlos Basílio.

Compareceram também o vice-presidente da ABC Hernan Chaimovich; o diretor do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e vice-presidente regional da ABC, Adalberto Val ; o diretor da ABC e da Associação Brasileira de Desenvolvimento e Inovação (ABDI), Evando Mirra ; o diretor-científico da Faperj e diretor da ABC, Jerson Lima; o vice-presidente regional da ABC Adolpho Melfi ; os diretores da ABC Luiz Davidovich  e Iván Izquierdo.

Finalizando a cerimônia de premiação, as vencedoras subiram ao palco para a foto oficial e os aplausos do público presente. "É com muito orgulho que homenageamos hoje estas brilhantes cientistas por essa grande conquista, mulheres que enaltecem não somente o potencial e a inteligência feminina, como a ciência no Brasil", concluiu a apresentadora Renata Cappucci.




webTexto é um sistema online da Calepino