Ciência Gera Conhecimento - [ Conheça ]

Português > A Instituição > Memória > O Centenário > Pílulas do Centenário Ed.12 • ABC mobilizada pelo Ministério de Ciência, (...)


Pílulas do Centenário Ed.12 • ABC mobilizada pelo Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação

A partir desta semana, as Pílulas do Centenário serão retomadas, até o fim do ano comemorativo de 2016, e vão alternar fatos históricos relativos à memória da Academia Brasileira de Ciências com a história que a instituição vem construindo hoje.

A ABC vem marcando a posição da comunidade científica brasileira contrária à fusão do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação ao Ministério das Comunicações. E vai além, deixando clara a necessidade de recompor o orçamento destinado à C,T&I no país, sob risco de que se perca a oportunidade da Ciência brasileira se tornar protagonista no cenário mundial, como vem acontecendo com a China e outros países dos BRICS, que estão caminhando nessa direção. "Enquanto isso, nós aqui no Brasil estamos jogando na retranca, gastando nosso tempo para tentar reaver o que já tínhamos - um Ministério e recursos para pesquisas - em vez de estarmos nos dedicando ao ataque", ressaltou o presidente da ABC, Luiz Davidovich , numa metáfora futebolística.

Em maio, a ABC com a SBPC e mais 12 instituições científicas brasileiras publicaram um manifesto contra a fusão dos ministérios, quando a medida ainda não tinha se confirmado. Na época, a comunidade considerou a medida "uma medida artificial que prejudicaria o desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação do país". Desde então, o ministro Gilberto Kassab (PSD), designado para assumir a pasta conjunta, se reuniu algumas vezes com representantes da comunidade científica, muitas vezes para ouvir críticas à medida, mas também para tentar encontrar formas de trabalhar em favor da pesquisa nacional.

Um dos primeiros encontros oficiais com a comunidade científica foi em São Paulo, em 8 de junho, conduzido por Helena Nader , Acadêmica e presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que organizou o evento. Esteve presente o presidente da ABC, Luiz Davidovich, e o secretário do novo Ministério, Jailson Bittencourt, entre outros Acadêmicos. Na plateia, mais de 100 dirigentes de instituições científicas, presidentes de sociedades científicas, reitores e outros representantes da comunidade científica e acadêmica de todo o país.

No dia 15 de junho, em Brasília, foi realizada uma audiência pública da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI). Nessa ocasião, Davidovich e Nader reiteraram suas preocupações quanto às consequências negativas da fusão de Ministérios e manifestaram-se firmemente pela recomposição das perdas orçamentárias para CT&I, ocorridas nos últimos anos.

Entre os argumentos contrários à fusão estão a arbitrariedade da medida, realizada sem que a Câmara e o Senado fossem consultados e a distinção entre os ministérios, que têm "práticas, objetivos e missões diferentes", na opinião do vice-presidente da SBPC, Ildeu de Castro Moreira."Os secretários de ciência, tecnologia e inovação [que passaram de quatro a dois], vão ficar em uma posição subalterna dentro do plano de governo e acabarão sendo ouvidos de forma secundária pelos responsáveis pelo orçamento da União, como o Ministério da Fazenda", ponderou Ildeu. Foram mantidas a Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento (SEPED) e Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (SETEC), lideradas respectivamente pelos Acadêmicos Jailson Bittencourt e Álvaro Prata. Foram extintas a Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social (SECIS) e a Secretaria de Política e Informática (SEPIN).

Segundo Davidovich, o MCTI não foi criado para satisfazer partidos políticos, como houve a criação de Ministérios recentemente. "Ele tem mais de 30 anos e, antes de ele ser criado, foram 30 anos de luta. É um Ministério que surgiu pela necessidade de uma política de Estado no setor."

Confira abaixo trechos dos vídeos das intervenções do Prof. Luiz Davidovich e da Profª Helena Nader nos referidos encontros.

Helena Nader destacou que não são só as instituições científicas, mas que também o empresariado inovador está preocupado com as perspectivas para educação, ciência, tecnologia e inovação no país (12:10:45)

Luiz Davidovich rejeita comparação da realidade brasileira em CT&I com a dos Estados Unidos e diz por quê (12:16:43)


(ASCOM ABC)


Apoio Institucional


webTexto é um sistema online da Calepino