Português > Notícias > ’Para Mulheres na Ciência’ completa dez anos de reconhecimento a jovens (...)


’Para Mulheres na Ciência’ completa dez anos de reconhecimento a jovens pesquisadoras

  • Compartilhe:

Publicado em 27/10/2015

Desde 2006, o Prêmio L’Oréal-UNESCO-ABC Para Mulheres na Ciência já contemplou 68 jovens pesquisadoras e, no último dia 22 de outubro, sete delas passaram a incluir seus nomes no rol das laureadas. A cerimônia de premiação, que foi especial por comemorar os dez anos do programa, aconteceu no Palácio Guanabara, sede do Governo do Estado do Rio de Janeiro, e contou com a presença do governador, Luiz Fernando Pezão, do vice, Francisco Dornelles, e do secretário de Estado de Ciência e Tecnologia do Estado do Rio de Janeiro, Gustavo Tutuca.


Jacob Palis , Karín Menéndez-Delmestre, Aline Cristina de Campos, Elisa Orth, Elisa Brietzke, Tábita Hünemeier , Daiana Silva de Ávila, Cecília Salgado e Didier Tisserand

O prêmio é promovido pela L’Oréal Brasil, Organização das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura (UNESCO Brasil) e Academia Brasileira de Ciências (ABC), e visa reconhecer o trabalho de jovens cientistas mulheres de todas as áreas da ciência, estimulando a presença feminina no ambiente científico. As contempladas recebem uma bolsa de 20 mil dólares para investir em suas pesquisas e seus trabalhos ganham mais notoriedade.

A cerimônia foi, mais uma vez, apresentada pela jornalista e apresentadora da TV Globo Renata Capucci, que ressaltou a importância da edição de 2015, por conta dos dez anos do prêmio. "Mentes inovadoras vão dar continuidade a descobertas essenciais para resolver questões críticas da sociedade. A ciência é crucial para resolver nossos problemas ecológicos, econômicos, humanitários, e todos os projetos premiados até agora contribuíram muito para o avanço da ciência no Brasil", destacou.

O presidente da L’Oréal Brasil, Didier Tisserand, comentou que a presença da empresa de cosméticos no Rio de Janeiro vai muito além da atividade comercial, industrial e de pesquisa: "Também queremos investir na parte social, na cidade e no país". Ele ressaltou a importância de aumentar a presença de mulheres na ciência. "Elas ocupam menos de 10% dos postos de direção no mundo", destacou. "Neste aniversário do prêmio, celebramos as jovens cientistas."

A coordenadora de Comunicação Social da UNESCO no Brasil, Anna Lucia Guimarães, falou em nome do representante desta organização no país, Lucien Muñoz, que não pôde comparecer. "Esta noite é a mais especial de todas que passamos juntas; são 10 anos de premiação. Foram anos de trabalho intenso e difícil da comissão julgadora que, nesse período, analisou nada menos do que 3 mil projetos, de áreas diferentes."

Anna Lucia lembrou do esforço grande de divulgação para que o prêmio chegue a todas as áreas do país. "Parece que foi ontem que fomos para uma reunião em Brasília, em 2006, para planejar esse projeto, que é uma oportunidade fantástica para que as cientistas possam mostrar seu trabalho." Ela disse que é entusiasmante poder contribuir concretamente para o trabalho dessas jovens cientistas. "Em um mundo de tantos conflitos, a ciência tem o papel cada vez mais importante de promover mudanças."

A situação das mulheres cientistas precisa melhorar - elas são apenas 30% dos cientistas em todo o mundo. No Brasil, segundo o CNPq, existe um equilíbrio quando elas estão no início da carreira científica, mas, ao final da carreira, a presença feminina é de somente 20% - elas acabam precisando deixar o trabalho de lado para se dedicar à família. "Uma das vencedoras da edição internacional do prêmio disse que é totalmente irracional e contraproducente que as jovens tenham que brigar para fazer valer igualmente seu trabalho; essa energia tem que estar concentrada na pesquisa", afirmou Anna Lucia.

O presidente da ABC e do júri do prêmio, Jacob Palis, também comemorou os dez anos da iniciativa. "É uma alegria muito grande para a ABC celebrar este acontecimento muito grande e especial, que é o reconhecimento de jovens cientistas mulheres de grande mérito e que têm o futuro às suas mãos." Palis enfatizou que a ABC luta, com todo o rigor possível, para que as mulheres ocupem um número cada vez maior dentro da Academia.

"A ABC tem modestos 14% de membros mulheres, mas há poucos anos, eram 8%", comentou. "Estamos progredindo lentamente, mas estamos à frente da Academia de Ciências da França, em que esse índice é abaixo de 10%, e da Inglaterra, em torno de 5%. Isso nos enche de orgulho, mas temos muito a conquistar, e esse prêmio vai nessa direção."

A química da Universidade Federal do Paraná (UFPR Elisa Orth falou em nome das sete laureadas, agradecendo à L’Oréal, ABC e UNESCO e parabenizando as instituições por um reconhecimento tão fundamental à pesquisa científica. "A ciência é nosso sonho e dom. Sem dúvida, esse prêmio nos impulsiona e nos motiva a fazer mais, e indica que estamos no caminho certo, dando visibilidade à nossa pesquisa e fortalecendo nosso elo com a sociedade. A ciência não tem gênero, bastam apenas as mesmas oportunidades."

O programa internacional, For Women in Science, foi lançado em 1998 e é promovido pela L’Oréal e UNESCO. Em 17 edições, seis brasileiras já incluíram seus nomes entre as premiadas, todas elas Acadêmicas: Beatriz Barbuy, Belita Koiller , Lucia Previato, Marcia Barbosa , Mayana Zatz  e Thaisa Bergmann, vencedora da América Latina e Caribe na edição deste ano. Thaisa falou em nome das laureadas internacionais: "Através da ciência conhecemos o universo e melhoramos as nossas condições de sobrevivência no planeta. O futuro da humanidade depende da ciência."

A astrônoma aproveitou para conclamar as laureadas a ajudar a mudar o planeta, a partir do "prazer e fascínio de ser uma cientista". "Fui homenageada com o prêmio internacional; é um reconhecimento maravilhoso do meu trabalho e representa um reconhecimento fora da academia, o que é extremamente valioso perante a sociedade e a família. Só tenho a desejar a vocês que vivam esse momento e trabalhem redobrado para um caminho melhor paro nosso país e nosso planeta. Viva às cientistas!"

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, destacou que promover o prêmio na sede do governo faz refletir sobre o papel da mulher na sociedade. "Somos testemunhas da participação feminina no mercado de trabalho, mas sabemos que não é suficiente. Não podemos prescindir da presença feminina na ciência."

Pezão comentou que, ao reconhecer o papel das pesquisadoras, a L’Oréal, ABC e UNESCO não apenas garantem a continuidade dos projetos, mas dão um sinal à sociedade - de que é preciso ampliar a participação delas em setores estratégicos. "Sentimos muita honra em sediar esse evento e que o Palácio Guanabara seja sempre o seu palco de entrega."

Conheça mais sobre as cientistas premiadas:

Possível influência dos endocanabinóides no efeito de antidepressivos
Diagnosticada com síndrome do pânico aos 21 anos, a farmacóloga Alinne Cristina de Campos está próxima de criar antidepressivos mais eficientes e menos prejudiciais à saúde.

Matemática e trasmissão de dados
Pós-doutora em matemática, Cecília Salgado, 33 anos, estuda códigos corretores de erros para atenuar falhas de transmissão em sistemas de comunicação ou discos rígidos, por exemplo.

Tratamento alternativo para esclerose lateral amiotrófica
A pós-doutora Daiana de Ávila busca atualmente um tratamento alternativo para a esclerose lateral amiotrófica (ELA) Doença que afeta, aproximadamente 12 mil brasileiros, mas só tem um tratamento disponível.

Qualidade de vida aos portadores de transtorno bipolar
Pós-doutora em psiquiatria, Elisa Britzke, 41 anos, desenvolve medicamentos para atenuar os efeitos físicos e sociais das alterações de humor

Desenvolvimento de novos catalisadores
A pesquisadora Elisa Orth se dedica ao desenvolvimento de enzimas artificias para acelerar reações como tratamento de doenças e destruição de moléculas nocivas à saúde humana presente nos agrotóxicos.

Antes e depois de nós
A pesquisadora porto-riquenha Karín Menéndez-Delmestre busca entender os processos que formam e transformam as galáxias em processos que podem levar bilhões de anos.

Diversidade craniofacial em nativos americanos
Doutora em ciência pela UFRGS, Talita Hünemeier busca descobrir as bases genéticas das características morfológicas que diferenciam fisicamente os nativos americanos dos demias povos do mundo.


(Clarice Cudischevitch para NABC)



webTexto é um sistema online da Calepino