Página inicial > Membros > Acadêmicos > Maria Fatima Grossi de Sa


Maria Fatima Grossi de Sa (GROSSI-DE-SA, M.F.)

Ciências Agrárias
Membro Titular
Ingresso em 8 de mai de 2012
Currículo
Link para a plataforma Lattes
E-mail

Maria Fatima Grossi de Sa  é pesquisadora do Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia desde julho de 1989 e professora da Universidade Católica de Brasília desde 2004. Atualmente, é coordenadora da Área de Biotecnologia da CAPES, Presidente da Sociedade Brasileira de Biotecnologia, membro do Comitê Assessor Internacional da CAPES e coordenadora do Grupos de Pesquisa ?Estresse biótico e abiótico em plantas? do Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. Concluiu graduação em Ciências Biológicas em 1979, pela UnB, obtendo o grau de mestre em Biologia Molecular em 1982 pela UnB e Doctorad es Sciences em Biologia Molecular em 1987, pela Universidade ParisVII ? França. Durante o doutorado conduziu trabalhos pioneiros na identificação de fatores envolvidos no controle da expressão gênica em organismos eucariontes. Esses estudos culminaram na descoberta da partícula prosome, atualmente conhecida como proteasoma, envolvida na degradação de proteínas. Em 1988, realizou seu primeiro Pós-Doutoramento na Plant Genetic System em Gent ? Bélgica, onde iniciou sua carreira na área de Biotecnologia vegetal. Durante 1995 e 1996, esteve afastada da Embrapa em licença sabática na UCSD- San Diego-USA, explorando as áreas de proteínas de defesa de plantas e interação molecular planta - pragas. Através de estudos de engenharia genética de plantas, contribuiu na caracterização de domínios moleculares envolvidos na especificidade de interação inibidor protéico de plantas e enzimas de insetos-praga. É reconhecida nacional e internacionalmente pelo seu trabalho cientifico pioneiro na identificação de fatores de defesa aplicados a resistência de plantas à pragas da agricultura. As suas realizações em pesquisa a colocam em posição de vanguarda nos estudos envolvendo a prospecção e identificação de moléculas de defesa, aplicáveis ao estresse bióticos e abióticos de plantas. Particularmente relevantes, foram as suas descobertas relacionadas a novos genes, e novas seqüências reguladoras de grande aplicação no controle de insetos-praga e fitopatógenos, assim como na tolerância ao estresse hídrico. Os resultados de suas pesquisas, compilados em 130 artigos de pesquisa (índice h=25, 1650 citações) e 14 patentes, têm levado ao desenvolvimento de processos e produtos biotecnológicos, com contribuições significativas para o sucesso da Biotecnologia aplicada à agricultura. Recebeu varios prêmios, entre estes, o Prêmio Scopus 2010. É pesquisadora 1-B do CNPq, foi coordenadora de vários projetos em rede da Embrapa (Macroprograma 2), da FAPDF e de projetos do CNPq e, atualmente, coordena um projeto em rede do MCT/CNPq, com foco no desenvolvimento de Plantas de algodão GM com resistência ao bicudo-do-algodeiro, inseto-praga de maior importância da cotonicultura brasileira. Atua como professora-orientadora nos Programas de Pós-Graduação em Ciência Biológicas e Biologia molecular da UnB, Ciências Genômicas e Biotecnologia da UCB, Biologia Celular e Molecular da UFRGS, tendo formado, até 2011, 28 doutores e 24 mestres, alguns dos quais são hoje docentes/pesquisadores de outras IES, atuam em empresas de Biotecnologia ou estão realizando pós-doutoral no Brasil ou no Exterior.




webTexto é um sistema online da Calepino