Página inicial > Membros > Acadêmicos > Carlos Medicis Morel


Carlos Medicis Morel (MOREL, C.)

Ciências Biomédicas
Membro Titular
Ingresso em 8 de abr de 1994
Currículo
Link para a plataforma Lattes
E-mail

Pernambucano, médico formado pela Faculdade de Medicina da UFPE, Carlos Médicis Morel é doutor em Ciências pelo Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho da UFRJ, com tese realizada no Instituto Suíço de Pesquisas Experimentais sobre Câncer (ISREC), Lausanne, Suíça, como bolsista da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da Organização Européia de Biologia Molecular (EMBO). Completou sua formação com cursos de especialização no Cold Spring Harbor Laboratory, EUA, na Universidade Paris VII, França, e em vários estágios como pesquisador visitante da Universidade da Califórnia em Los Angeles, EUA. Foi professor da Universidade de Brasília de 1968 a 1978, onde criou e coordenou a pós-graduação em Biologia Molecular.
É pesquisador-titular da Fiocruz, onde ingressou em 1978. Em 1980, criou o Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular do Instituto Oswaldo Cruz, um dos mais ativos da instituição, onde desenvolveu uma nova técnica baseada em métodos de engenharia genética, para caracterização de parasitos da Ordem Kinetoplastida, em particular tripanosomas e leishmânias (entre as quais os causadores da doença de Chagas e das leishmanioses). A técnica - análise de esquizodemas - produz uma "impressão digital" dos parasitos e é recomendada pela OMS. Em seguida, descobriu a existência de sequências gênicas repetidas e conservadas no DNA do cinetoplasto do Trypanosoma cruzi, parasito que causa a doença de Chagas, o que possibilitou o desenvolvimento pelo seu laboratório de novos métodos mais sensíveis, eficazes e rápidos para estudos laboratoriais, diagnósticos, clínicos e epidemiológicos desta endemia (amplificação gênica pela reação em cadeia da polimerase, PCR).
Foi diretor do Instituto Oswaldo Cruz de 1985 a 1989, e Vice-Presidente de Pesquisas da Fiocruz de 1985 a 1990. Desde 1993 é o Presidente da FIOCRUZ. Na sua gestão como Diretor do IOC criou o curso de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular do Instituto Oswaldo Cruz, hoje credenciado como de grau A pela CAPES, e conseguiu a indexação da revista Memórias do Instituto Oswaldo cruz, pelo "Institute for Scientific Information"(ISI), Filadélfia, EUA.
Foi membro do Conselho Deliberativo do CNPq, eleito pela comunidade científica brasileira e da "Task Force on Health Research" (Força Tarefa em Pesquisa em Saúde), em Genebra, Suíça. É perito da Organização Mundial da Saúde, onde preside o mais alto comitê científico do Programa de Pesquisa e Treinamento em Doenças Tropicais (TDR), o "STAC"("Scientific and Technical Advisory Committee"). Presidiu durante seis anos o Grupo de Fortalecimento da Capacidade de Pesquisa em Paíse em Desenvolvimento, e durante três anos o Comitê de Doença de Chagas daquela entidade.
Em 1983 organizou na FIOCRUZ o curso internacional "Genes and Antigens of Parasites", patrocinado pela OMS, quando editou o manual de laboratório de mesmo nome. Este livro, elogiado pela revista científica Nature, foi distribuído pela OMS para mais de cinco mil pesquisadores e instituições de todo o mundo.
É autor de mais de 50 artigos publicados em revistas científicas internacionais, uma patente e 11 capítulos de livros científicos, tendo ainda orientado 16 teses de pós-graduação. Seus trabalhos se situam entre as publicações brasileiras mais citadas pela comunidade científica internacional. Foi membro do corpo editorial da revista Molecular and Biochemical Parasitology e é Editor Associado das Memórias do Instituto Oswaldo Cruz. Em 1995 ganhou o 1º Prêmio Cidade do Rio de Janeiro de Ciência e Tecnologia, outorgado pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.




webTexto é um sistema online da Calepino