A Universidade Federal Fluminense (UFF) e a Academia Brasileira de Ciências (ABC) celebraram, na quarta-feira, 3 de julho, um Acordo de Cooperação para estabelecer cooperação técnica entre as entidades, a fim de promover o intercâmbio nas áreas de educação, ciência, tecnologia e inovação. Dentre os campos de colaboração, estão contemplados o desenvolvimento de programas de extensão e divulgação científica, a promoção e desenvolvimento de projetos de pesquisa conjunta e a contribuição em inovação tecnológica e empreendedorismo.

Para o reitor da UFF, Antonio Claudio Lucas da Nóbrega, a amplitude do acordo reforça a aproximação da universidade com a comunidade científica. “Essa parceria fortalece e aprofunda as relações da universidade com a academia, integrando um objetivo estratégico da Administração Central de trabalhar com alta qualidade científica e inclusão social. Nesse projeto específico, a UFF abre portas para outras possibilidades, com uma institucionalização mais profunda e orgânica”.

O convênio inicia com o Projeto Memória da Academia Brasileira de Ciências, que envolve estudantes – por meio do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) e de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI) – e docentes da UFF e visa à preservação e à divulgação de arquivos históricos da ABC, futuramente expostos em um museu virtual. No projeto, os participantes realizam o levantamento e a digitalização de documentos e os disponibilizam nos meios digitais.

Em pé, atrás: Vice-reitor da UFF, Fabio Barboza Passos, Maria Vargas (ABC/UFF), Mônica Savedra (UFF); à frente, a presidente da ABC, Helena Nader, e o reitor da UFF, Antonio Claudio da Nóbrega

“É um convênio guarda-chuva, no qual várias atividades poderão ser incluídas. No caso do Memória da Academia Brasileira de Ciências, a coordenação é da professora Maria Vargas, da UFF, e conta com a participação de estudantes da universidade. Acredito que esse acordo é a institucionalização daquilo que nós já fazíamos, trazendo, de fato, o nome da Universidade Federal Fluminense para dentro da nossa instituição”, explica a presidenta da ABC, Helena Bonciani Nader.

Segundo a pró-reitora de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação, Mônica Savedra, a iniciativa se destaca pela inovação. “Os alunos têm a oportunidade de trabalhar, sob a orientação do professor Paulo Terra, com o acervo da ABC e de realizar diversos processos tecnológicos para o tratamento e disponibilização desses documentos”.

Coordenadora do projeto, a professora do Programa de Pós-graduação em Química da UFF, Maria Domingues Vargas, ressaltou a importância dessa ação para o resgate da história da ciência. “Nosso arquivo possui documentos que datam de 1916. Essa relação pioneira que estamos construindo, institucionalizada hoje, envolve a comunidade acadêmica em prol da preservação e divulgação da memória científica e tecnológica do país”.

Recentemente, outro projeto também foi realizado com a atuação conjunta entre a UFF e a ABC. Em junho, a Academia lançou o livro “Desafios e estratégias na luta contra a desinformação científica”, coordenado pela professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e superintendente de Comunicação da UFF, Thaiane Oliveira. Acesse e baixe gratuitamente