Emanuel Carneiro, Marcus Fernandes de Oliveira, Jacob Palis, Elisa Reis,
Pablo Javier Blanco e Stephen Patrick Walborn.
Mais cinco jovens cientistas de renome entraram para os quadros da ABC no encerramento da Reunião Magna, realizada no final de maio. Foi quando aconteceu a cerimônia de diplomação dos membros afiliados da Regional Rio de Janeiro, eleitos para o período 2014-2018.
Os membros afiliados são uma categoria especial de Acadêmicos criada pela Diretoria da ABC, em 2007. Ela é voltada para cientistas de até 40 anos que já tenham feito importantes contribuições à ciência brasileira.
Os afiliados eleitos passam a fazer parte da Academia por cinco anos, período em que eles têm a oportunidade de ter um contato maior com seus pares, divulgar seu trabalho ao participar de eventos e obter uma visão mais ampla da situação da ciência, tecnologia e inovação em um contexto nacional e mundial.
“A regionalização colocou a Academia no país inteiro”, comentou o presidente da ABC Jacob Palis na cerimônia, referindo-se à criação de vice-presidências da ABC divididas por regiões, no mesmo ano em que surgiu a categoria de membros afiliados. Os jovens cientistas são eleitos a partir de cada uma das vice-presidências, que são: Rio de Janeiro, São Paulo, Sul, Minas Gerais & Centro-Oeste e Nordeste & Espírito Santo. “Essa foi uma forma eficaz de quebrar a concentração da ciência no Sudeste.”
Palis explicou que, além de realizarem as cerimônias de diplomação dos novos membros afiliados, as vice-presidências regionais também organizam, cada uma, um evento anual, promovendo a integração dos cientistas daquela área. “Essa iniciativa é um grande sucesso”, orgulhou-se o matemático.
O presidente ressaltou o fato de “sermos o único país a ter uma Academia de jovens mais significativa do que a mundial”. Enquanto a ABC tem um total de 139 afiliados, apenas do Brasil, a Global Young Academy conta com 200 jovens cientistas membros, mas de 58 países. “No entanto, mesmo com essa quantidade de eleitos que temos, a competição é muito forte, sendo bastante difícil selecioná-los”, considerou a vice-presidente da Regional Rio de Janeiro, Elisa Reis.
Os jovens cientistas diplomados foram Emanuel Carneiro, Marcus Fernandes de Oliveira, Pablo Javier Blanco e Stephen Patrick Walborn. Leonardo dos Santos Avilla estava fora do Brasil e não pôde comparecer à cerimônia. Saiba mais sobre eles nas matérias abaixo.
Emanuel Carneiro trabalha em matemática pura, mais especificamente na área de análise harmônica, cujos estudos têm possibilitado avanços significativos em telecomunicações, na tecnologia médica, em compactação e análise estatística de dados, nas áreas de biologia e neurociência, dentre outras.

Professor e pesquisador da Unirio, Leonardo dos Santos Avilla dedica seus estudos à paleozoologia, focando nos mamíferos da América do Sul, sua diversidade, origem e evolução.

Ensino, pesquisa, extensão… e rock n roll

Marcus Fernandes de Oliveira lidera grupo que pesquisa transformações de energia nos agentes causadores e transmissores de doenças tropicais, dá aulas na universidade e numa escola de ensino básico e toca numa banda de cientistas.

Computação aplicada à medicina

Pablo Javier Blanco trabalha com matemáticos, programadores, biólogos, fisiologistas e médicos no desenvolvimento de ferramentas de modelagem computacional para realizar pesquisas em medicina, em particular para o estudo do sistema cardiovascular humano.

A beleza da física quântica

Fascinado por esportes e pelo mar desde pequeno, o norte-americano Stephen Patrick Walborn seguiu a carreira da física no Brasil e vê a relação entre essa ciência e a natureza como algo cativante.